Batata doce

Sou completamente fã de batata doce, por norma comemo-la cozida porque inteira no forno não achávamos grande piada.
Certo dia pensámos fazer chips de batata doce, só que para ficarem crocantes tinham de esturricar e mais sabiam a carvão que a batata doce. Tentei várias vezes, diferentes temperaturas e desisti.
Entretanto decidi fazer aos palitos e adoro! Ficam crocantes por fora e suaves por dentro e sem carbonizar. Têm de ficar com uma corzinha mas não completamente pretas, ora aqui vai a receita:

  • Pré-aqueça o forno a 180/200°C na função de circulação de ar.

  • Lave as batatas em água corrente com a ajuda da parte verde do esfregão (não é preciso fazer muita força).

  • Corte as batatas em palitos com tamanhos semelhantes.

  • Coloque as batatas, azeite, sal e pimenta num recipiente que feche (pode ser uma caixa ou um saco de plástico limpo)
  • Agite bem de forma a misturar bem todos os ingredientes.

  • Disponha na grelha do forno as batatas sem as sobrepor e leve ao forno por cerca de 15minutos (o meu forno aquece mais de um lado que do outro então a meio eu viro o tabuleiro)

Fácil, rápido e delicioso...

Nota:
A batata doce cá é laranja, bastante diferente da branca, possivelmente ficará bem também mas não faço ideia se se deverá acrescentar outros temperos. Na batata doce laranja, como tem um sabor meio a cenoura ou abóbora, acho que quanto menos temperos melhor fica, pois o sabor é mesmo muito agradável.




A espalhar magia

Já estamos no facebook





Micróbios V

Vamos lá falar de infecções/doenças sexualmente transmissíveis (IST/DST)...

Todos sabemos (espero) que o contágio destas doenças não se faz por intermédio de abraços, apertos de mão, etc...

Há também doenças cuja taxa de infecção é muito baixa, como o VIH em que numa relação sexual normal a probabilidade de contrair o vírus é de menos de cerca de 0,1%. Claro que dependendo do tipo de sexo que se faz, inclusive se é receptor ou dador (no caso de relação sexual vaginal o receptor será a mulher e o dador o homem), sendo que o receptor tem sempre maior probabilidade de infecção.
O que assusta mais é que segundo alguns dados estatísticos há grande prevalência de jovens nos novos casos de infecção, que por ignorância ou inconsciência fazem sexo desprotegidos.

Mas nem só de VIH vive este mundo de IST's e todos temos ouvida cada vez mais falar do VPH (HPV em inglês) que felizmente já se encontra no plano de vacinação nacional mas é necessário fazer prevenção através de citologia e colposcopia e também caso se tenha algum sintoma "anormal", como dor ao ter relações sexuais, por favor vão ao médico!

Todas estas doenças passam também através de contacto oral, por isso sexo oral desprotegido também é um comportamento de risco.



http://ourworldindata.org/data/health/hiv-aids/
http://www.cdc.gov/nchhstp/newsroom/HIVFactSheets/Progress/Trends.htm
http://www.webmd.com/sex-relationships/features/4-things-you-didnt-know-about-oral-sex
http://www.catie.ca/en/pif/summer-2012/putting-number-it-risk-exposure-hiv

Comprar casa em Amesterdão

Em Portugal lembro-me da minha mãe ter andado muito tempo à procura de casa, a minha irmã como agente imobiliária que é também tem umas histórias para contar, mas quando é na nossa pele as coisas mudam...

Há casa hediondas... Casas-de-banho roxas e pretas, chuveiro junto à sanita, casas destruídas, quartos minúsculos mas salas gigantes, cozinhas que para remodelar mais valia implodir e recomeçar do zero...
Sim claro que fui picuinhas e só o facto de não querer um apartamento com galeria (eles chamam galeria ao facto de entrar pela casa pelo exterior do prédio, galeria onde estão as janelas dos quartos), depois não queria uma cozinha e/ou casa-de-banho que tivesse de remodelar completamente, também não queria um frigorífico minúsculo como o que temos agora que fica em baixo do forno e não dá para por nada e por aí fora.
Acho que temos de ser relativamente selectivos tendo em conta que vamos comprar uma casa e é uma decisão importante.

De qualquer forma deixo aqui um breve resumo do que vimos:


Eu até sou do Sporting mas a sério?? E o chão?


 Frigorífico debaixo do forno tem também uma gaveta de congelador


 Espaçoso


 Lindo


 Esta tinha cada quarto de sua cor


Pois...


 Que divião é esta? Acho que é a casa-de-banho


 A saga das casas sem chão


Muita remodelação



Lavatório no quarto


reparem no chuveirinho...

As mini férias

Sexta lá fomos nós para o aeroporto com destino a Lisboa, para jantar com os sogros. O pai do Ricardo fazia anos e íamos fazer uma surpresa, visto ele achar que apenas chegávamos no dia seguinte. Apesar do voo estar 1h atrasado, durante a viagem conseguiram ganhar 30 minutos. Quando chegamos a casa deles, o Ricardo entrou primeiro e o pai ficou sem reacção, chorou, riu e fingiu que ficou ofendido porque toda a gente o andou a enganar, mas sabemos que gostou.

Sábado foi um dia comprido, fomos tomar o pequeno-almoço à Fábrica Lisboa onde se fazem os melhores croissants de Lisboa!!! Aí estivemos com uns amigos do Ricardo que iam ficar em nossa casa uns dias. Seguimos para casa da Ana para eu almoçar com a Pipa e a MC e para termos uma tarde só para nós. Lanchei com a Xana e a recém nascida Yasmin. O Ricardo foi almoçar com os pais, tomar café com os avós e falar com a mãe de um amigo que vem viver para cá.
Depois de jantar fomos para casa dos meus pais em Santa Cruz.

Domingo, dia do copo de água, acordámos cedo para ajudar a arranjar tudo para a tarde. Fomos pôr balões no caminho de casa porque a morada não aparece no GPS, pôr a mesa, arranjar pratos com salgados e doces, decorar a sala, etc.
Depois fui-me maquilhar, pentear e vestir e começaram a chegar os primeiros convidados perto das 16h.
Foi um dia muito giro, com boa comida e bebida, muitos risos e sorrisos, muitas lágrimas nos discursos e muitas fotografias. Toda a gente gostou e achou muito acolhedor, o facto de ser em nossa casa faz com que seja mais intimista, apesar de dar mais trabalho. Comi pouco e bebi pouco porque estive muito ocupada, mas adorei tudo!
Obrigada a quem nos ajudou a proporcionar este dia, a começar pela Rita que me ajudou a comprar as lembranças para oferecer e a acabar nos nossos pais que prepararam, compraram e fizeram tudo (ou quase tudo)!

Segunda foi dia de arrumar e limpar o que não ficou feito no dia anterior, mas a grande maioria estava feito, fazer malas, almoçar e partir para Lisboa, onde fizemos uma sessão de fotografias com o Bruno da Click on Studio, excelente tarde passada com ele e patrocinada pela Su :D

Terça, dia de despedidas, despedi-me do meu cabelo comprido, fomos ao supermercado comprar bacalhau, chocolate Pantagruel e afins,  almoçámos com alguns amigos e a sogra, fomos para casa fazer a mala e ala para o aeroporto.
Beijinhos de despedida, os sogros e cunhado vêm cá daqui a três semanas e os pais talvez no fim-de-ano.
Chegámos cansados, exaustos, cheios de saudades mas contentes por estar na nossa casa.















Quem é que adivinha o que vem aí???




Qual é a vossa música?


Pergunta uma das "madrinhas" na festa que fizemos em Portugal "Olha lá, qual é a vossa música de namoro?" e o silêncio instala-se... Sei lá, acho que não temos uma música, perguntei ao Ricardo e ele já lhe tinha respondido que era a "atirei o pau ao gato".

Ou seja não temos música mas na altura do bolo e dos discursos ela decidiu "dar-nos" uma...







Sou só eu?

Sempre, uns dias antes de ir de viagem fico super mal disposta, com a barriga às voltas e tudo...  A vocês também?!
Mais ainda mais quando vamos para portugal...

A juntar à festa há uns dias queimei o céu da boca, mas queimei a sério! Fez bolha, que rebentou logo, depois fica ali meio em carne viva, dói como o raio e ainda não passou.
Mas como não há duas sem três estou meio doente, ontem demos um pulinho bem rápido à Vogue Fashion Night Out de Amesterdão e digo-vos que está bem mais vazia do que a de Lisboa, nada em promoção mas fazer compras com champanhe na mão é outro nível. Há muita música ao vivo, goodie bags e ofertas exclusivas em compras superiores a 250-350€ e eu vim de lá com um MK nova, pequena e linda :D Obrigada amorzão. Mas isto tudo para dizer que quando cheguei a casa comecei a sentir umas dores de garganta e ouvidos muito leves, tomei logo ibuprofeno, mas hoje de manhã estava pior apesar de não ter pus. Ando cheia de drunfos atrás que eu quero chegar a Lisboa bem...



TAG – Completa a frase


Inspirada no blog da Ana respondi a TAG- completa a frase para vos dar a conhecer um pouco mais de mim:

Sou muito persistente

Não suporto gente incompetente
Eu nunca tive um carro meu
Eu já discuti por coisas secundárias
Quando era criança brincava na rua
Neste exacto momento estou com sono
Eu morro de medo de insectos, aracnídeos e afins
Eu sempre gostei de praia
Se eu pudesse viajava todos os fins-de-semana
Fico feliz quando vou a Portugal
Se eu pudesse voltar no tempo não o fazia
Quero muito viajar, ter filhos e ser feliz
Eu preciso de amor
Não gosto de ver animais ou pessoas abandonadas

Quem quiser junte-se ao movimento :p

Micróbios IV

Vemos por todo o lado anti-bacterianos para lavar as mãos, lavar bancadas, chão, para higiene íntima e agora até em gel de duche!!! E isso REVOLTA-ME!!!!

Eu bem sei que nem toda a gente tem conhecimentos de biologia mas nós temos mais bactérias a viver em nós do que células. Há algumas excepções, há quem tenha mesmo de ter cuidados extra, ou com bebés temos de ter alguns cuidados extra, num hospital, etc, mas esses produtos todos usados no dia-a-dia são mais prejudiciais do que benéficos.

Matar toda a nossa flora, seja íntima ou da pele, significa matar todas as bactérias que nos defendem de algumas outras patogénicas. Estamos há milénios a conviver com bactérias em nós que nos fazem bem, quando usamos esses sabonetes ou até elixir bocal com álcool matamos TODAS as bactérias, mudamos o pH das mucosas e a longo prazo pode ser muito prejudicial.

Os antibacterianos não separam bactérias boas de más.

Vocês, usam este tipo de produtos com frequência?!


Crise na Europa

Todos temos visto as notícias, todos andamos preocupados com o que se passa, há vários pontos de vista e na realidade acho que consigo perceber os dois...

Por um lado temos pessoas desesperadas para fugir com os seus filhos de uma guerra da qual não pediram para fazer parte. Na situação deles acho que faria igual, tentar qualquer coisa, porque não tentar pode significar levarem os filhos deles para serem terroristas, as filhas para as violar, etc...
O nosso lado humanitário faz-nos querer ajudar, principalmente quando vemos os pais com crianças e se vê que até nem se importavam de ficar para trás, se ao menos salvassem os filhos.

Por outro lado temos uma Europa em

De volta ao trabalho

Hoje voltei ao trabalho e ao abrir a porta do escritório tinha uma surpresa preparada para a minha recepção...
É sempre bom receber mimos e deixa-nos com um sorriso no rosto :D