Porque é que não publiquei os posts de infertilidade em tempo real?

Eu não acho que me andem a sabotar a vida à distância, não foi por isso. Mas até calhou relativamente bem ter engravidado no terceiro tratamento, que no nosso caso sendo apenas inseminação artificial, ocorreu em 3 meses e assim dava tempo para ir relatando e no fim anunciar que resultou.
Quando soube que estava grávida decidi que ia começar o relato, mesmo que não corresse bem poderia dar esperança a alguém.
O motivo de não publicar em tempo real foi algo pensado e ponderado. Não sabia se estava preparada para partilhar as minhas emoções e lidar com comentários ao mesmo tempo. Não sabia quanto tempo ia demorar, não sabia nada e por isso decidi jogar pelo seguro e apenas partilhar quando tive um positivo.
Também já me apercebi que algumas pessoas escolhem como eu publicar em diferido e outras em tempo real. É uma questão muito pessoal e não há errados!
A única coisa que não me passou pela cabeça foi não divulgar informação acerca de infertilidade e de condições como endometriose ou síndrome de ovários policísticos. Acho importante abordar estes assuntos porque estas condições são cada vez mais comuns e ainda há muito preconceito no que a elas diz respeito.


Escreve, apaga, escreve, apaga...

Tem sido mais ou menos isto eu nas redes sociais, principalmente em grupos de mães. Vou escrever algo, vai dar raia, desisto. E escrevo até bastante, um texto longo, sem erros ortográficos, de forma positiva mas sei que vai dar pano para mangas e não tenho paciência então desisto, volto ao feed e sigo em frente.
A isto chama-se gestão de energia., quando uma pessoa anda cansada porque a cria não dorme bem e, por consequência, nós também não, ficamos expert em poupar energias...

Obras na nossa zona

Há de facto muitas diferenças entre Portugal e a Holanda. Em Portugal não me lembro de receber cartas a informar que iam ser feitas obras, que estradas que dão acesso à nossa zona iam estar cortadas, ou o eléctrico ou o autocarro (normalmente estes avisos ficavam nas paragens).
Aqui sempre que há uma remodelação, obras, no último caso troca das lampâdas da via pública que vai demorar 6 semanas e vai condicionar algumas ruas durante a noite, recebemos uma notificação por carta, com caminhos alternativos, horários de trabalho, prazos e, como já aconteceu anteriormente, caso haja atrasos somos também notificados...
Digam-me se estou enganada, em Portugal não existe este tipo de notificação pois não?! Acho que recebi uma vez uma a dizer que iam cortar a água num dia e horários específico...


Lisboa vs Amsterdam- custos de vida

Já todos sabemos que o ordenado médio em Portugal não é fantástico mas decidi ver se havia comparação entre Lisboa, a minha antiga cidade, e Amesterdão, a minha nova cidade. Encontrei este site e vou só colocar aqui o que achei mais relevante.
Claro que o salário médio é muito mais alto, 176% do salário médio português (valores líquidos). As creches são 260% mais caras aqui, mas dependendo do nosso salário e das creches (a maioria está registada para se conseguir obter abono) recebe-se parte do dinheiro e, no nosso caso, é mais de metade, por isso acho que será mais caro mas não chegará aos 200% , nem perto.
Os táxis são muito mais caros, 400%, mas com UBER quem é que ainda usa táxi????
Já 1 minuto de conversação para número local em plano pré-pago de redes móveis é 17% mais barato.
Sendo quase tudo mais caro mesmo assim compensa pelo ordenado, que é bastante mais elevado. Em conclusão para se manter o nível de vida em Amesterdão teriam de receber mais 64%  do que recebem em Lisboa.
Espero que ajude caso pensem mudar-se para cá...

Voltei

Depois de umas merecidas férias voltei...
Sou só eu que durante as férias se desliga das redes sociais e afins? Já me disseram que devia ser ao contrário, que em teoria temos mais tempo, mas para mim férias são férias e a última coisa que quero é passar o dia ligada ao computador/telemóvel quando há tantos contactos para fazer, seja com pessoas como com a natureza...


Vejam lá se percebem

O "truque" para minimizar água, trabalho infantil, poluição é mesmo reduzir! Antes de reutilizar e reciclar a sério que têm mesmo de se focar em reduzir!
Não que os restantes não sejam válidos mas se nem se chegar a produzir é melhor do que andar a tentar minimizar o efeito.
Quanto menos coisas, de tudo, se comprar, melhor. Têm o roupeiro cheio, não comprem mais roupa! Têm bijuteria que já não cabe na caixa, não comprem mais. Se forem mandar fora para comprar mais o efeito é o mesmo. Se querem comprar vejam se não há nada em segunda mão que valha a pena porque o segundo R é reutilizar.
Lá porque agora está na moda (também pode ser mais saudável) usar recipientes de vidro  para colocar comida não vão despejar os recipientes de plástico, comprem alguns de vidro para aquecer comida mas mantenham os de plástico para guardar coisas frias, deitar fora para comprar mais é, em si, um desperdício!
Vejam lá se percebem que para sermos ecológicos o primeiro passo tem de ser sempre REDUZIR!


Vamos ajudar a Matilde?


Esta é a Matilde e tem uma doença grave, baixa esperança média de vida dependente de máquinas com o tempo. Recentemente um medicamento foi aprovado nos EUA pela FDA e apesar de já ter sido requerido aprovação na Europa estas coisas demoram tempo.  Até lá há a hipótese de conseguirem adquirir a título particular o medicamento, mas custa 2milhões de Euros.
Não consigo imaginar o que tem sido a vida para estes pais, nasce uma bebé aparentemente saudável e ao fim de uns meses têm um diagnóstico destes.
Quem quiser ajudar pode fazer transferência para a conta em nome de Matilde Sande PT50 0035 0685 00008068 130 56 e também há mais informação aqui.
Conseguem dispensar 1 café hoje e transferir esse valor para ela? Parece pouco mas todos déssemos esse pouco já eles teriam o valor necessário...


Pole dance

Depois deste post aqui, em que menciono que voltei ao pole há já um ano e há valentes meses que estou no nível iniciados 2, parcialmente retiro o que disse. Este é um nível muito acima do primeiro, há imensa coisa a trabalhar, até aí eu sabia, mas depois vêm as aulas em que eu praticamente não consigo fazer nada. A frustração é enorme! Se por um lado não sinto que o primeiro nível ainda seja para mim (não que não volte de vez em quando mas ir por sistema é uma seca e pouco aprendo) este nível é mesmo desafiador.
Sim falta-me ainda força e depois tenho um grave problema, há quem tente fazer os movimentos e pronto, mas eu quero fazer como deve ser, sem parecer um macaco a subir pelo poste a agarrar-se com os pés (não é bonito de ver). A verdade é que as pessoas que não pensam como eu acabam a fazer mais do que eu, mas eu quero fazer da forma correcta. Acho que assim demorarei mais tempo mas enquanto vou tentando vou treinando e criando força necessária e quando o fizer será, espero, como deve ser.

Outra questão é que eu tenho noção que para evoluir mais rápido teria de treinar mais! Treinar mais significa abdicar de tempo com a Bia e/ou com o Ricardo, neste momento já abdico de 3h/semana (entre ir e vir e treinar) em que depois de a meter na cama vou treinar e no regresso jantamos. Acho que não quero abdicar de mais, podia treinar no domingo enquanto ela dorme a sesta mas sinceramente poder sentar-me calmamente a almoçar e beber café e organizar alguma coisa com calma é um luxo que aprecio... Já vi uns treinos curtos que posso fazer e se calhar é isso que vou fazer, treinos curtinhos tipo 20minutos que se foquem nas áreas que mais preciso, força de braços (flexões) e abdominais (tenho uns 2 ou 3 exercícios realmente cruciais para o pole)

Até lá há alguns movimentos relativamente mais simples que dá para ir treinando e que no ângulo certo dão boas fotos, tipo este... Não é super fácil mas é totalmente exequível com alguma prática...


Já sei fazer este (hangover)


E o próximo passo a seguir ao hangover é o bow&arrow


Tudo em pole dance tem um truque, no hangover é que estamos literalmente pendurados pela fricção que as nossas pernas fazem no poste. Aliás metade do tempo, ou mais, o contacto com a pele é o que nos mantém lá em cima e dói e faz nódoas negras mas é tão fixe quando se consegue...

TAG- Geekology



A querida C. nomeou-me para a TAG Geekology e, apesar de não achar que sou assim tão geek, não a podia deixar mal, por isso aqui vai:

- Qual foi o livro que leste que te fez sentir mesmo geek?
Podia dizer que foi O Hobbit ou outro do Senhor dos Anéis mas eu acho mesmo que foi o último que li "Missing microbes". Cada vez mais leio artigos científicos acabando por ler muito menos livros em si e tenho lido imensos sobre crianças e desenvolvimento mas não conta para geekness.

- Mostra-nos uma das tuas figuras colecionáveis favoritas.
Não sei se conta mas tenho o BB8 em lego, dado ao Ricardo mas é daquelas prendas que é para os 2.

- Tens alguma peça de roupa geek (tshirt, top...)? Mostra uma das tuas favoritas.
Não, o meu guarda-roupa é mesmo minimalista e a maioria dessas peças não fazem nada pelo meu look por isso não são peças que eu tenha grande desejo de comprar. Sou muito esquisitinha e tenho um roupeiro tão limitado que prefiro ter peças "normais" e que goste de me ver.

- Alguma vez fizeste cosplay? Se sim, mostra o que fizeste. Se não, que personagens gostarias de fazer?
Não fiz e também não tenciono fazer... é algo com o qual não me identifico mas acho que há imensa gente talentosa para inclusive costurar fatos... Mas num carnaval pus uma capa, uns óculos e tinha uma varinha para me mascarar de feiticeira de Hogwarts, mas foi mesmo só gozo e nada ao nível de cosplay.

- Qual foi o último comic/graphic novel que leste?
Acho que nunca li nenhum.... Li uns trechos de Naruto por causa do meu irmão, isso conta?

- Qual é o teu jogo favorito (pode ser de pc, xbox, ps, nintendo...)?
De PC- Prince of Persia (versão antiga em que se via o sangue quando nos espetávamos ou quando as facas nos furavam)
PS- Crash Bandicoot ou MediEvil
Nintendo-  Super Mario
Sega saturn- sonic

- Qual é o teu anime e/ou manga favorito?
Não tenho propriamente mas tive o meu tempo de amar "Sailor Moon" aka "Navegante da Lua" e mais tarde de adorar "Battousai o esquartejador" aka Kenchin Himura

- Costumas jogar jogos de tabuleiro (board games)? Tens algum?
Apesar de não jogar frequentemente e em casa não ter nenhum, nos últimos anos contactei com alguns que gosto bastante, nomeadamente Catan e o Carcassone. Sou uma fã incontornável de cartas apesar de não ser excelente a jogar gosto bastante...

E por aí, algum geek que gostasse de responder a esta TAG?

Agadir

Passaram 2 meses e eu nada de post... Não foi por não ter adorado, que adorei. Mas agora vai!
Sabíamos de antemão que o tempo não ia estar fantástico, a rondar os 24 graus, mas com o vento às vezes ficava fresco. Valeu-nos a piscina dos putos, onde a Beatriz se fartou de fazer apneia e nadar e saltar com água quentinha, às vezes quente demais.
A nossa ideia era ir de férias no sentido real da palavra, quando vamos a Portugal não sabe bem a férias porque há sempre mil coisas para fazer e pessoas para ver. Então achámos que merecíamos ir para um resort, tudo incluído para nem ter de pensar onde vamos comer e Agadir costuma ter boas temperaturas e encontrámos um preço excelente.
Ficámos no Labranda Dunes D'or que ficava coladinho à praia com camelos sempre a passar (podia-se pagar para andar de camelo), tinha tobogãs (não usámos muito), piscinas, kids club (usámos pouco), vários restaurantes e bares. Mas o nosso canto preferido foi uma pérgola junto à praia onde passámos muitas manhãs e fins de tarde.

O pessoal foi todo muito simpático e os quartos eram espaçosos, a casa de banho ok mas limpo. Com frigorífico e até um estendal na banheira (corda extensível), muito útil!
A comida foi sempre bastante razoável, muitas tagines, borrego delicioso, peixe grelhado, panquecas marroquinas deliciosas e MORANGOS, os melhores morangos que já comi na vida! A sério! O staff muito simpático, muito sorridente e ficaram todos amigos da Bia, no último dia até teve direito a uma rosa de papel e uns beijos repenicados na bochecha.
Restaurante de peixe que ao jantar foi fantástico mas ela estava de telha e ao almoço foi uma desilusão (os mesmos pratos, completamente diferente!). O Restaurante marroquino apesar de ter boa comida o serviço foi mauzinho, eles tentavam mas não davam conta.

Um dia fomos a um mini-zoo, Les vallée des Oiseaux, entrada gratuita, com cabras, lamas, muitos pássaros, mas achei que estava um bocado mal tratado. Na volta passámos a comprar uma bóia para a Bia e uma tagine, tudo regateado a um preço bastante considerável.

Antes de virmos embora fomos ao mercado, mas antes o taxista parou no museu do óleo de Argan, fomos ver como é que se faz e é trabalho super árduo feito por mulheres. Fora a apanha ter de ser manual, depois têm de extrair a noz retirando a polpa e por fim a semente partindo a noz, depois colocam a semente numa espécie de mó com uma pedra grande, abaulada com uma pega, em cima de uma outra lisa. Rodam a pega manualmente para extrair o óleo. Hoje em dia a rotação da pedra superior é também feita por máquinas.
Seguimos para o mercado no mesmo táxi (o senhor ficou a tomar café enquanto esperava e não cobrou mais) e adorei. O cheiro a fruta era fantástico, tinha imenso artesanato, nomeadamente caixas de madeira com compartimentos escondidos (comprámos uma), doces, chás, óleo de Argan e produtos com óleo, tudo e mais alguma coisa. Mas o que mais me impressionou foi que eles usavam 99% das vezes sacos de algodão (parecia-me pelo menos) em vez de plástico e acho que devíamos aprender mais com eles neste aspecto!

Aeroporto com imensos azulejos lindos, alguns edifícios com traço mais tradicional lindos, um areal enorme, comida boa e pessoas simpáticas, carros alguns sem cinto de segurança, uma realidade muito diferente da nossa... Adorei porque consegui descansar, Marrocos é para voltar num contexto mais cultural e menos de resort!