O meu pós-parto

 O meu pós-parto desta vez foi muito diferente, mais difícil mas ainda assim bastante fácil...

Então desta vez deram-me uma bomba de morfina, que usei pouco mas usei... Na primeira noite ela dormiu super bem mas eu não porque ela parava de respirar assim que era deitada completamente na horizontal.
No geral perdi muito pouco sangue mas desta vez tive de usar pensos por uma semana, com fluxo médio a quase inexistente. Depois fiz mais esforço na outra semana e voltei a ter algum sangramento mas por pouco tempo e pouco fluxo.
Numa semana estava sem tomar qualquer medicação para as dores e a andar perfeitamente bem para cima e para baixo. Quando fui à consulta no centro de saúde pediátrico tinha ela 3 semanas a médica ficou super surpreendida e confirmou que eu tinha feito cesariana, porque lhe parecia impecável a andar e tudo.
Desta vez também a dar de mamar senti o útero contrair, coisa que não tinha sentido da Bia, mas a Sara é uma mamona e tem bem mais força que a Bia.

A amamentação foi nalguns pontos melhor e noutros pior. A Sara tem mais força e acorda para mamar, viemos sem suplemento para casa, mas como é sôfrega frequentemente fez mal a pega e fissurei os mamilos mas corrigi a tempo, depois de um bocado de choro e dor lacinante uns dias.

Foi fantástico ter a minha mãe por perto nas primeiras semanas, não ter de cozinhar, ter alguém que também percebe o que se passa. Desta vez tive mais oscilações de humor, discuti com o Ricardo um dia e acabei por ir dar uma volta sozinha a chorar compulsivamente mas depois passou.

Tem sido desafiante, ter 2 filhos é muito mas muito mais complexo e difícil que ter o dobro do trabalho! Isto foi algo que ninguém me disse, diziam é o dobro do trabalho mas mil vezes mais felicidade mas não, não é o dobro é exponencialmente mais trabalho. Acho que compensa mas não estava preparada.

Houve 1 mês que consegui seguir uma rotina de treinos, mas este mês (Junho) estou tão cansada que uso o "tempo livre" para dormir com ela ou arranjar coisas. Sabem que mais, estou em paz com isso, a minha barriga desta vez ficou mais disforme, os abdominais fecharam felizmente e visto a minha roupa pré-gravidez mas tudo está diferente e quando ela for mais crescida e menos dependente penso num plano mais estruturado. (by the way, caso queiram exercícios para pós parto sigam a Julie Baird mesmo que tenham tido um bebé há anos ela diz que exercício físico bem feito faz diferença na qualidade de vida, no mês que fiz os exercícios dela vi logo diferença e só fazia 2-3x por semana 15min ou 20).

É difícil, muito difícil, desta vez sinto mesmo falta dos avós perto, mas sei que vai melhorar! Melhora sempre!




Beatriz- de filha única a irmã mais velha

E assim, de repente, a Bia passou de filha única a irmã mais velha.
Ela sabia que nós íamos buscar a mana ao hospital mas acho que não sabia bem o que ia acontecer. Primeiro ficou uns dias sem me ver, o Ricardo foi a casa no dia a seguir à Sara nascer, mas quando falávamos por vídeo-chamada ela chorava que nos queria de volta a casa. Partiu-me o coração a minha bebé a chorar com saudades nossas.
Chegámos a casa e ela deu-me logo um abraço, depois foi curiosa ver a Sara, observou, mexeu e fez perguntas mas rapidamente perdeu o interesse.

Nos primeiros dias teve alguns pesadelos, dormiu menos bem, começou a rejeitar a minha mãe e dizia que ela já podia ir para casa dela, mas quando a Sara chorava ficava sempre preocupada. Não me rejeitou mas manteve alguma distância, ela sabia que eu estava a recuperar e não podia brincar com ela como antes. Ao fim de uma semana fomos os 4 ao parque, ela empurrou o carrinho, eu brinquei um bocado com ela, o Ricardo também, foi um momento bem passado. 

Na segunda semana foi altura de voltar à creche, que filme senhores! No primeiro dia veio para a minha frente, a chorar, dizer que não queria ir e a pedir por favor. O meu coração apertado, as hormonas que não ajudavam nada e faziam ter vontade de chorar e dizer-lhe que não precisava ir, mas fui forte, falei com ela e prometi ir buscá-la cedo e fui!
Essa semana foi sempre difícil deixá-la na creche, ela queria ficar no hall a dar abraços e não queria entrar, quando entrava chorava e até houve um dia que queria ir no ovinho em vez de na cadeira dela. Já esta semana diz que não quer ir mas já não há choro, felizmente.

A minha mãe foi embora na sexta passada, na noite que antecedeu a sua ida a Bia teve um terror nocturno, acabou na nossa cama e eu tinha receio que ela começasse a pedir para ir mais vezes, mas não. Que orgulho nesta pequena miúda...

Quando a Sara chora diz para eu lhe dar maminha, quando ela se contorce diz "coitadinha, dói a barriga", às vezes quando ela refila diz "pronto, eu estou aqui, já passou" e dá-lhe a mão e é delicioso ver o ar dela a olhar para a irmã e a ajudar a dar banho...

Não podia pedir nada mais! Espero que continue assim, encantada com a irmã, a relembrar-nos que ainda é pequena e precisa de nós mas ao mesmo tempo compreensiva...


p.s- este post foi escrito no início de Abril... tenham compaixão, vou tentar actualizar as coisas.

Quase 3 semanas de Sara

Realmente o segundo filho é mais negligenciado... Temos muito menos fotos dela do que da Bia, até porque a vida passa a correr com outro filho mais velho, sendo tudo mais intenso e desafiante.

Mas não me posso queixar, de todo. A Sara é uma bebé calma, talvez até mais fácil que a Beatriz. Tem alguns períodos com cólicas mas nada que dure mais de 30minutos. Dorme na alcofa de dia e de noite, ainda a meti no co-sleeper mas é grande e a alcofa do carrinho é mais aconchegante, então levamo-la para cima ao fim do dia e metemos dentro do co-sleeper ehehe. Tem partes do dia e da noite que dorme ao colo mas é a minoria, e espero que assim continue.

É uma aficcionada da mama, adora mamar, adora adormecer na mama apesar de, às vezes, adormecer sozinha. Se está impaciente com sono é ir à maminha e já está. Acho que vou ter de introduzir chupeta mais cedo ou mais tarde, por enquanto é gerível, vamos ver a longo prazo. Continuo a não ter grande prazer em dar de mamar mas está a correr bem. No início estava a ter dificuldades na pega e levou a umas fissuras no mamilo direito, mas corrigiu-se e a amamentação corre bem, logo é para continuar em exclusivo até aos 6 meses e, depois disso, enquanto ambas quisermos, mas espero que consiga até aos 9-12 meses.

A Sara perdeu 9% do peso inicial (3910g descendo para 3565g), ao fim de uma semana tinha 3660g e ao fim de duas 3900g. Não foi preciso suplementar, no hospital acharam que mesmo tendo perdido peso que ela bebia bem, fazia xixi e cocó e que a coisa se iria compor, e compôs.

Mais uma vez não tenho um bebé mole, ela tem imensa força no pescoço, a minha mãe que é mãe de 3 e avó de mais 3 diz que realmente é impressionante, mas já a Bia tinha força. Já fica acordada algumas partes do dia e tenta observar o máximo que consegue e quando falam com ela vira logo a cabeça.

Amanhã temos nova consulta para ver o peso e talvez medir. Aqui já não medem os bebés recém-nascidos mas as roupas 56 estão justas e já lhe vesti alguns 62 que, apesar de ligeiramente grandes, não ficam a boiar.

Conclusão, estamos felizes, cansados, com menos paciência do que gostávamos, mas sabemos que não nos podemos queixar porque ela até é uma bebé fácil (o que quer que seja ser um bebé fácil não é verdade?!)

23-03-2021 13:00

 No dia 23 lá fomos nós para a maternidade, esperavam-me pelas 10h para fazer a cesariana pelas 12h.
Estava nervosa, com fome, empolgada, com vontade de rir e chorar, tinha deixado a Bia no jardim com a minha mãe, ela estava bem, sabia o que ia acontecer mas não tinha a real noção da mudança que estava prestes a acontecer.

O staff do hospital foi todo super cuidadoso e atencioso, muito queridos, muito prestáveis, lá me preparei e descemos. Meteram o catéter no braço (não gosto que coloquem na mão), pela primeira vez não me doeu bendita enfermeira, entrei para o bloco sozinha para levar a epidural e ser preparada e o Ricardo juntar-se-ia depois.
Avisei que da primeira cesariana a epidural subiu muito, deram menos mas mesmo assim subiu muito, tiveram de me picar 2 vezes porque me tocaram num nervo e parecia que tinha uma corrente elétrica de alta voltagem perna abaixo, dói que se farta apesar de durar pouco.
Odeio agulhas, a sério, então com este stress todo comecei a sentir-me a desmaiar, lá me deitaram, eu chorava e pensava mal da minha vida, senti mais que da primeira vez, tudo me era desconfortável, estive desconfortável o tempo todo, chorei bastante, estava nervosa mesmo com o Ricardo ali ao lado, segundo consta a certa altura tive a tensão bastante baixa mas eu sentia-me bem.
Perguntaram se queria ver a Sara nascer, disse que não, tinha receio de desmaiar mas queria ver assim que nascesse. Nasceu às 13h00, a chorar e quando a vi foi uma felicidade tal que já não quis saber do desconforto nem de nada, era a cara chapada da Bia quando nasceu.
Ela foi com o Ricardo fazer os testes e ele cortou o cordão, novamente sentiu-se mal, eu fiquei à espera deles até que me perguntam se quero ver a placenta, resposta imediata "não" e ainda brincaram comigo se não queria plantar uma árvore ou fazer umas cápsulas... Perdi pouco sangue, 300ml na cirurgia, tinha poucas adesões da cesariana anterior e não havia sinais de endometriose visível.

Eles voltaram e meteram a Sara no meu peito, junto de nós um aquecedor para ela poder estar comigo o máximo possível já que no recobro, por causa do CoViD, não seria possível.
Foi muito bom tê-la ali em cima de mim, a olhar para mim, com o Ricardo. Quando acabou eles foram para cima fazer contacto de pele e eu fui para o recobro, subi mais ou menos 1h30 depois, quando a epidural estava já a começar a passar apesar de não mexer os pés, eu estava estável, comi um gelado sem vomitar e queria muito subir.

Quando subi meti-a logo na mama, mais ou menos 2h depois dela nascer. Correu bem, ela estava bem, estávamos todos bem.
Falámos com a Bia mas ela chorou porque queria a mãe e o pai, concordámos que o Ricardo ia a casa no dia seguinte para lhe dar mimo e brincar com ela.

E assim começou esta nova aventura de uma família de 4... A Bia tem sido uma irmã espetacular, com alguns ciúmes mas não nos podemos queixar!





Respeitem as decisões das pessoas mesmo que sejam diferentes das vossas...

Depois de algumas pessoas saberem que vou fazer cesariana vem a pergunta "mas está tudo bem?", até aqui tudo bem porque é legítimo e demonstra preocupação mas depois de dizer que sim vem o "então porquê?" e tenho a dizer que já me chateia. Não pergunto a alguém porque é que escolheu ter parto vaginal, ou ser induzida nem se alguém decide não dar de mamar.

Também não vale a pena tentarem atirar-me com estatísticas e artigos sobre o benefício do parto vaginal, eu sei! Eu planei um parto natural para a Bia, gostava de ter tentado até sem epidural (claro que teria sempre hipótese de mudar de opinião), não deu, ela não virou e a probabilidade de algo correr mal era grande para primeiro parto, pélvico e que ia ser induzido às 38 semanas por motivo médico. Nesse dia (8-12-2017) já eu tinha visto as estatísticas todas de taxas de mortalidade de cesariana vs parto pélvico e as possíveis complicações, probabilidade de indução em parto pélvico acabar em cesariana, tinha tido um curso pré-parto com uma Doula em que falámos dos benefícios do parto vaginal e, não fosse eu bióloga e gostar de ter a informação toda, ainda fui ler muitos artigos sobre os benefícios e quando desaparecem e na altura a decisão da cesariana foi a que fez mais sentido, era a mais segura.

Agora continua a ser a decisão mais segura, é mais provável ter uma ruptura uterina do que algo correr mal na cesariana. Se quisesse ter mias filhos talvez repensasse, porque quanto mais cesarianas maior a probabilidade de ruptura incluindo na gravidez.

"Ah e tal mas a recuperação é super difícil", mas não é essa a minha experiência, em 24h estava sem tomar nada, a andar, a fazer uma vida minimamente normal, não tive praticamente hemorragia alguma, foi um pós-parto calmo e pacífico. Claro que nunca se sabe, mas eu também tive amigas que tiveram partos vaginais e pós-partos terríveis.

Por isso, se tiverem amigas que decidam fazer cesariana, perguntem se está tudo bem, mas não julguem e não perguntem porquê se não forem amigos muito próximos ou se for para fazer cara feia. Hoje em dia não sabe estatísticas e benefícios quem não quer.




Soul

 Vimos o soul da pixar e tenho a dizer que chorei imenso... Eu sou uma maria chorona mas acho mesmo que o filme está bem feito.

É a história de um músico que tinha o sonho de tocar numa banda de jazz, tem a sua grande oportunidade mas morre e tenta fugir ao seu destino de ir para o céu. Pelo caminho conhece uma alma que ainda não tinha nascido e não queria descer à Terra.

A história desenrola-se com ele a ensinar à jovem alma as coisas boas e simples da vida. É uma história bonita e acho que vale muito a pena ser vista...




Conseguimos!

Conseguimos mudar-nos e transferir a casa antiga na data combinada!
Foi muito mais apertado do que eu gostaria, foi na realidade mesmo em cima do joelho e ainda tenho uma arrecadação cheia de coisas e uma sala meio por arrumar mas já se está a compor.

Então no domingo eu e o Ricardo viemos à casa nova, limpámos a cozinha (apesar de termos pago para nos limparem a casa ficou uma valente porcaria e muita coisa não viu um pano sequer), trouxemos algumas caixas e tal. Na segunda o meu pai chegou, encaixotámos grande parte do que faltava, desmontámos alguns móveis que eram precisos. Terça fizemos as mudanças com a ajuda preciosa de alguns amigos, que até com a Bia nos ficaram e foi um dia que começou para nós às 7h e terminou às 20h com as camas nos quartos e uma sala cheia de móveis!
Não tínhamos conseguido sem os nossos amigos e família e por isso sou muito grata! Temos mesmo muitas pessoas que nos ajudam sempre e eu sou imensamente grata por tudo!

Entretanto quarta finalmente tive a consulta no hospital e fomos a apartamento buscar as últimas coisas e deixar o robot a aspirar a casa para ficar minimamente decente, quinta passei o dia no trabalho porque não consegui fazer aquilo que tinha mesmo que terminar, porque ficámos em isolamento.

Hoje fomos dar as chaves aos novos donos do nosso apartamento, fazer vistoria à casa e dizer adeus. Tenho de admitir que me custou um bocadinho, foram 5 anos e meio, mais de 3 da vida da Bia lá, gostava mesmo da nossa casinha e apesar de ter mudado para melhor, é sempre nostálgico deixar para trás onde fomos tão felizes.

Tem sido uma aventura mas conseguimos e agora com tempo é arrumar tudo, limpar tudo, fazer as malas da maternidade (shame on me, sempre à última hora) e ter a uma bebé saudável...

Estamos exaustos mas felizes, bem e saudáveis.




Como vai o CoViD aqui por casa

 Pois que na quinta-feira o Ricardo começou com tosse esporádica, eu comecei com espirros que achei que eram do bom tempo e, consequentemente, alergias. ele foi ficando pior, eu fui espirrando mais e domingo às 15h comecei com uma terrível dor de cabeça, à noite ficámos os dois com febre e nessa noite não dormi nada porque as dores de cabeça não acalmavam nem com paracetamol.
Honestamente essa noite comecei a panicar, o que fazemos se ficarmos os 2 mega doentes? Quem toma conta da Bia? E a Sara, que repercussões pode ter no desenvolvimento dela? E se entrar em trabalho de parto? E se acabar na UCI e não a vir nascer e não puder estar com ela nos primeiros dias, semanas, meses??? E se ela precisar de ir para a UCI por causa do CoViD?

Segunda fomos fazer o teste, por eu estar grávida de final de termo deram-nos prioridade e tivemos os resultados em poucas horas sendo o máximo 24h em vez das 48h. Hoje já nos ligaram a perguntar como estamos, se estivermos 24h sem sintomas podemos sair no fim-de-semana.
Esta noite já dormi, continuo com algumas dores de cabeça mas sem febre, algum peso no peito mas pouca tosse, continuo a espirrar, a Sara mexe, então estou mais descansada que vai correr bem. O Ricardo passou a manhã praticamente toda na cama porque acordou mal disposto, ainda tem febre e tosse mas sente-se no geral menos terrível. A Bia está fina fora estar farta de estar fechada em casa, quer ir para o parque ou para a creche e está muito impaciente mas em breve vai acabar, espero.

A creche entretanto fechou porque houve vários pais e alunos também infectados e não podiam continuar abertos e propagar mais esta situação, ainda assim se ficarmos bons até ao fim da semana tivemos sorte, dentro do azar...




The Queen´s gambit

 Ora vamos voltar a falar de séries e filmes...

The Queen´s gambit é uma história ficcional que conta a história de uma rapariga super inteligente com um talento enorme para o xadrez. A rapariga acaba num orfanato e pela primeira vez vê um tabuleiro de xadrez.

Os encontros na cave para jogar tornam-se frequentes e ela fica obcecada pelo jogo. Devido a uns fármacos que lhes dão no orfanato ela consegue ficar acordada toda a noite a visualizar jogadas.

O objectivo dela é tornar-se a melhor jogadora de xadrez do mundo!

A história é interessante, os actores são bons, junta o xadrez a uma história de vida complicada, com dependência de drogas, amizades e das dificuldades em mantê-las num mundo complexo e competitivo.

Já viram?




Pior timing de sempre!

 Esta seria a minha última semana de trabalho antes de ter a Sara, seria também este fim-de-semana que mudaríamos de casa. Porquê seria?! Porque na segunda à tarde informaram-nos que uma educadora da Bia, que foi testada no fim-de-semana, testou positivo, que fizeram testes rápidos ao staff todo e mias 6 positivos foram detectados e terão agora de fazer todos testes de PCR. Pediram que a fosse buscar depois da sesta, mas que ela estava bem.

Como ela teve contacto com a educadora na quinta-feira, na terça fazia 5 dias, altura em que já é fiável fazer o teste. Por norma não testam pais mas nós fizemos marcação on-line em que indicámos sintomas leves e lá fomos os 3.
Eu e o Ricardo testámos negativo e o resultado da Bia soube porque não conseguia aceder e telefonei. Ela testou positivo, estamos à espera que nos liguem do ministério da saúde para saber o que fazer. Ela não tem grandes sintomas, tossiu hoje de manhã um par de vezes com expectoração, nós não temos queixas o que é bom... Claro que sempre que um de nós espirra ou tosse ficamos a olhar com ar desconfiado mas não temos sequer sintomas de constipação ou gripe (frequentemente confundidas com CoViD, apesar de serem doenças bem diferentes a sintomatologia tem alguma sobreposição)

As grávidas, apesar de não serem mais propensas a contrair a doença, perecem ser mais susceptíveis a doença grave do que mulheres não grávidas. Se quiserem ler mais podem fazê-lo em fontes seguras aqui ou aqui.
Apesar de tudo estamos calmos, optimistas, não é comum as crianças saudáveis desenvolverem doença grave, o mesmo em adultos, sim eu sei que não ser comum não significa que não vai acontecer mas as estatísticas estão do nosso lado e há que ser objectivo e optimista, sem perder noção da realidade obviamente.

Algo que me descansa é que a probabilidade de ter pegado alguma coisa a alguém é muito baixa, não andamos a ter nem fazer visitas, o Ricardo trabalha sozinho, eu fui trabalhar na sexta mas sendo negativa e usando máscara no trabalho 99% do tempo e no restante mantendo a distância e desinfectando as mãos frequentemente creio que não seja grande veículo de transmissão.

Agora é esperar que liguem e ficar em casa até nos mandarem!
O timing não calhou bem mas não é o fim do mundo se estivermos todos bem!