Locke and Key

 Esta série conta a história da família Locke. Rendell Locke foi assassinado por um aluno que queria saber onde estavam "as chaves", a mulher e os filhos tiveram de se mudar e foram para a antiga casa da família, keyhouse.
As crianças começam a encontrar chaves e rapidamente se apercebem que a magia vem sempre a um custo e que o que pode parecer inofensivo nem sempre o é.
Foi uma série fácil de ver, leve e interessante, com actores bons. A premissa é interessante e acho que vale a pena ver...

Já conheciam?



Katla

 Tenho a dizer que me tenho surpreendido muito, pela positiva, com as séries realizadas na Europa do Norte.

Katla conta a história de acontecimentos bizarros passados numa cidade islandesa, Vik, que fica junto ao vulcão Katla. Algo de estranho começa a acontecer nesta pequena cidade e parece que está relacionado com o vulcão.

Gostei bastante, mesmo com episódios longos, acho mesmo que vale a pena!


6 anos de casados

 Dia 27-08 fizemos 6 anos de casados...

Estamos juntos desde 31-12-2011, eu vim para a Holanda em Outubro de 2012, ele veio em Junho de 2013, comprámos a primeira casa no ano em que casámos (na realidade foi o motivo impulsionador).
E que viagem tem sido, 2 filhas mais tarde e aqui continuamos. Não é fácil, não é sempre fácil, mas isso não é motivo para desistir. Ter filhos é a verdadeira prova de fogo a um casamento (ou outro tipo de relação), porque há menos horas de sono, mais hormonas, mais exigências, menos tempo para cada um individualmente e como casal.
Como em tudo o segredo é comunicação! É mesmo essencial antes que se chegue à ruptura. Nós já tivemos de ter algumas conversas sérias, se não as tivéssemos tido não estaria aqui a fazer este post.
Decidi abordar esta questão da comunicação porque acho mesmo importante! Nenhuma relação sobrevive sem comunicação, se não conseguem falar com a pessoa com quem partilham a vida então algo está muito mal. Claro que há sempre 2 lados da moeda, claro que a outra parte também terá as suas queixas de nós e são válidas e é importante saber falar mas também saber ouvir e chegar a um consenso ou compromisso.

Espero conseguir continuar a comunicar contigo da melhor forma, porque apesar da montanha russa que é a nossa vida, da sua perfeição imperfeita, não a trocava por nada porque sou feliz e me fazes feliz!




Dear white people

Estou a tentar trazer de volta o post semanal de filmes e séries às 6as, esta é a sugestão desta semana.
Foi uma sugestão de uma activista negra e tinha ficado na minha cabeça. Comecei a ver há 2 ou 3 semanas e já estou fã... Fala do racismo institucionalizado, dos actos que muitas vezes não nos damos conta mas que diminuem outras etnias, das lutas que os negros passam. Neste caso a história passa-se numa universidade de renome, da Ivy league, que até tem um reitor negro, mas isso não impede o racismo e o pouco que se faz de luta contra isso...
Dear white people é o nome de um programa de rádio da universidade e visa satiricamente falar de acções racistas e do privilégio branco, depois vêm os "mas nem todos os brancos" ou "mas todas as vidas importam" e criam movimentos ridículos para mostrarem que também têm problemas e afins.

Se o racismo é um tema que vos interessa, esta é uma série que o aborda até com algum humor mas com seriedade também!

Killing eve

 Há 2 anos a Matilde já tinha falado nesta série aqui e eu tinha fixado o nome. Há umas semanas comecei a ver e, tal como ela, foi ver tudo de rajada (quase que as crianças nem sempre deixam) e tenho a dizer que é uma boa série...

Tem algum suspense e drama, até momentos cómicos e um bom painel de actores. A actriz que faz de assassina profissional faz um bom papel, ela é estranha, que é suposto, e torna-se super engraçado ver. Também é engraçado ver a interação dela com a personagem principal, Eve.

Acho que é uma boa série e que vale a pena o vosso tempo, fiquem com o trailer...



Updates da Bia e da Sara (Junho 2021)

A Bia deixou de usar fralda de noite há 2 meses sensivelmente... Teve dois ou 3 acidentes lidados sem stress e passou. Por vezes quando se distrai muito a brincar faz xixi na casa-de-banho mas não consegue chegar à sanita, acontece...
É uma irmã super preocupada, que lê para a Sara, passa-lhe objectos, tenta entretê-la tanto quanto possível, quando a Sara começa a chorar diz que deve querer maminha e por vezes segura-me na mama para dar à Sara.

Estivemos de férias em Portugal e vem obviamente a falar imenso, os primeiros dias de piscina e praia tinha receio da água mas rapidamente lhe passou e até nada debaixo de água, sendo que temos de a trazer à superfície. Por isso é mesmo importante explicar que só se vai à piscina com alguém com ela porque pode ser muito perigoso e mesmo assim estamos sempre de olho e a porta para lá costuma estar fechada.
A Bia adora dançar e música, farta-se de tocar piano, maracas, o que conseguir meter a mão... Acho que vamos ter de a meter nas aulas de música em vez de no judo ahahah. Adorou estar com os avós e tios, fartou-se de brincar, andar de triciclo e de bicicleta sem pedais (já se equilibra super bem), adora animais e passou a vida a falar com os gatos dos meus sogros, chamava à gata minha filha e tapava-a e contava histórias, dá vontade de ter um e na casa dos meus pais passeava a Foxy e dava comida e brincava com os pássaros. No último dia não queria ir dormir porque não queria ir embora, foi uma gritaria que só visto, mas chegando a casa ficou feliz por estar de volta. Percebo bem o sentimento dela porque eu sinto igual...
Claro que nem tudo é bom, continua a ter otites mensalmente, mesmo com osteopatia, lavagens nasais, bom tempo... Enfim, acho que não há muito a fazer...

A Sara é uma bebé super bem disposta, sempre muito risonha, palra imenso (começou a vocalizar aos 2 meses e a sorrir pouco depois). Já começa a virar-se sozinha de barriga para baixo mas também para cima.
Tivemos de chegar ao calor para ela ficar doente, estava mesmo muito calor e rapidamente ficou constipada depois a ir para Viseu com o ar condicionado ligado ficou rouca. Ainda tem tosse mas os pulmões estão limpos e sem febre por isso é ter paciência que vai passar, agora de volta aos países frios vai curar a constipação.
A Sara é muito grande, na consulta dos 3 meses pesava o mesmo que a Bia aos 6 e media 1cm a mais, é impressionante... Gosta mais de mama que a irmã, já aceita chupeta, tem dormido na nossa cama (o que me faz dormir mal mas antes mal que não dormir). No pico dos 3 meses esteve um dia que só mamava e dormia e no dos 4 foi dia e meio, uma noite a mamar de hora em hora e acordava e adormecia com um choro agonizante, felizmente passou...

Ter 2 filhos é espetacular, ver a interação é lindo, a Sara mal vê a irmã cala-se e sorri e a Bia adora brincar com ela, mas é muito cansativo e difícil...




O meu pós-parto

 O meu pós-parto desta vez foi muito diferente, mais difícil mas ainda assim bastante fácil...

Então desta vez deram-me uma bomba de morfina, que usei pouco mas usei... Na primeira noite ela dormiu super bem mas eu não porque ela parava de respirar assim que era deitada completamente na horizontal.
No geral perdi muito pouco sangue mas desta vez tive de usar pensos por uma semana, com fluxo médio a quase inexistente. Depois fiz mais esforço na outra semana e voltei a ter algum sangramento mas por pouco tempo e pouco fluxo.
Numa semana estava sem tomar qualquer medicação para as dores e a andar perfeitamente bem para cima e para baixo. Quando fui à consulta no centro de saúde pediátrico tinha ela 3 semanas a médica ficou super surpreendida e confirmou que eu tinha feito cesariana, porque lhe parecia impecável a andar e tudo.
Desta vez também a dar de mamar senti o útero contrair, coisa que não tinha sentido da Bia, mas a Sara é uma mamona e tem bem mais força que a Bia.

A amamentação foi nalguns pontos melhor e noutros pior. A Sara tem mais força e acorda para mamar, viemos sem suplemento para casa, mas como é sôfrega frequentemente fez mal a pega e fissurei os mamilos mas corrigi a tempo, depois de um bocado de choro e dor lacinante uns dias.

Foi fantástico ter a minha mãe por perto nas primeiras semanas, não ter de cozinhar, ter alguém que também percebe o que se passa. Desta vez tive mais oscilações de humor, discuti com o Ricardo um dia e acabei por ir dar uma volta sozinha a chorar compulsivamente mas depois passou.

Tem sido desafiante, ter 2 filhos é muito mas muito mais complexo e difícil que ter o dobro do trabalho! Isto foi algo que ninguém me disse, diziam é o dobro do trabalho mas mil vezes mais felicidade mas não, não é o dobro é exponencialmente mais trabalho. Acho que compensa mas não estava preparada.

Houve 1 mês que consegui seguir uma rotina de treinos, mas este mês (Junho) estou tão cansada que uso o "tempo livre" para dormir com ela ou arranjar coisas. Sabem que mais, estou em paz com isso, a minha barriga desta vez ficou mais disforme, os abdominais fecharam felizmente e visto a minha roupa pré-gravidez mas tudo está diferente e quando ela for mais crescida e menos dependente penso num plano mais estruturado. (by the way, caso queiram exercícios para pós parto sigam a Julie Baird mesmo que tenham tido um bebé há anos ela diz que exercício físico bem feito faz diferença na qualidade de vida, no mês que fiz os exercícios dela vi logo diferença e só fazia 2-3x por semana 15min ou 20).

É difícil, muito difícil, desta vez sinto mesmo falta dos avós perto, mas sei que vai melhorar! Melhora sempre!




Beatriz- de filha única a irmã mais velha

E assim, de repente, a Bia passou de filha única a irmã mais velha.
Ela sabia que nós íamos buscar a mana ao hospital mas acho que não sabia bem o que ia acontecer. Primeiro ficou uns dias sem me ver, o Ricardo foi a casa no dia a seguir à Sara nascer, mas quando falávamos por vídeo-chamada ela chorava que nos queria de volta a casa. Partiu-me o coração a minha bebé a chorar com saudades nossas.
Chegámos a casa e ela deu-me logo um abraço, depois foi curiosa ver a Sara, observou, mexeu e fez perguntas mas rapidamente perdeu o interesse.

Nos primeiros dias teve alguns pesadelos, dormiu menos bem, começou a rejeitar a minha mãe e dizia que ela já podia ir para casa dela, mas quando a Sara chorava ficava sempre preocupada. Não me rejeitou mas manteve alguma distância, ela sabia que eu estava a recuperar e não podia brincar com ela como antes. Ao fim de uma semana fomos os 4 ao parque, ela empurrou o carrinho, eu brinquei um bocado com ela, o Ricardo também, foi um momento bem passado. 

Na segunda semana foi altura de voltar à creche, que filme senhores! No primeiro dia veio para a minha frente, a chorar, dizer que não queria ir e a pedir por favor. O meu coração apertado, as hormonas que não ajudavam nada e faziam ter vontade de chorar e dizer-lhe que não precisava ir, mas fui forte, falei com ela e prometi ir buscá-la cedo e fui!
Essa semana foi sempre difícil deixá-la na creche, ela queria ficar no hall a dar abraços e não queria entrar, quando entrava chorava e até houve um dia que queria ir no ovinho em vez de na cadeira dela. Já esta semana diz que não quer ir mas já não há choro, felizmente.

A minha mãe foi embora na sexta passada, na noite que antecedeu a sua ida a Bia teve um terror nocturno, acabou na nossa cama e eu tinha receio que ela começasse a pedir para ir mais vezes, mas não. Que orgulho nesta pequena miúda...

Quando a Sara chora diz para eu lhe dar maminha, quando ela se contorce diz "coitadinha, dói a barriga", às vezes quando ela refila diz "pronto, eu estou aqui, já passou" e dá-lhe a mão e é delicioso ver o ar dela a olhar para a irmã e a ajudar a dar banho...

Não podia pedir nada mais! Espero que continue assim, encantada com a irmã, a relembrar-nos que ainda é pequena e precisa de nós mas ao mesmo tempo compreensiva...


p.s- este post foi escrito no início de Abril... tenham compaixão, vou tentar actualizar as coisas.

Quase 3 semanas de Sara

Realmente o segundo filho é mais negligenciado... Temos muito menos fotos dela do que da Bia, até porque a vida passa a correr com outro filho mais velho, sendo tudo mais intenso e desafiante.

Mas não me posso queixar, de todo. A Sara é uma bebé calma, talvez até mais fácil que a Beatriz. Tem alguns períodos com cólicas mas nada que dure mais de 30minutos. Dorme na alcofa de dia e de noite, ainda a meti no co-sleeper mas é grande e a alcofa do carrinho é mais aconchegante, então levamo-la para cima ao fim do dia e metemos dentro do co-sleeper ehehe. Tem partes do dia e da noite que dorme ao colo mas é a minoria, e espero que assim continue.

É uma aficcionada da mama, adora mamar, adora adormecer na mama apesar de, às vezes, adormecer sozinha. Se está impaciente com sono é ir à maminha e já está. Acho que vou ter de introduzir chupeta mais cedo ou mais tarde, por enquanto é gerível, vamos ver a longo prazo. Continuo a não ter grande prazer em dar de mamar mas está a correr bem. No início estava a ter dificuldades na pega e levou a umas fissuras no mamilo direito, mas corrigiu-se e a amamentação corre bem, logo é para continuar em exclusivo até aos 6 meses e, depois disso, enquanto ambas quisermos, mas espero que consiga até aos 9-12 meses.

A Sara perdeu 9% do peso inicial (3910g descendo para 3565g), ao fim de uma semana tinha 3660g e ao fim de duas 3900g. Não foi preciso suplementar, no hospital acharam que mesmo tendo perdido peso que ela bebia bem, fazia xixi e cocó e que a coisa se iria compor, e compôs.

Mais uma vez não tenho um bebé mole, ela tem imensa força no pescoço, a minha mãe que é mãe de 3 e avó de mais 3 diz que realmente é impressionante, mas já a Bia tinha força. Já fica acordada algumas partes do dia e tenta observar o máximo que consegue e quando falam com ela vira logo a cabeça.

Amanhã temos nova consulta para ver o peso e talvez medir. Aqui já não medem os bebés recém-nascidos mas as roupas 56 estão justas e já lhe vesti alguns 62 que, apesar de ligeiramente grandes, não ficam a boiar.

Conclusão, estamos felizes, cansados, com menos paciência do que gostávamos, mas sabemos que não nos podemos queixar porque ela até é uma bebé fácil (o que quer que seja ser um bebé fácil não é verdade?!)

23-03-2021 13:00

 No dia 23 lá fomos nós para a maternidade, esperavam-me pelas 10h para fazer a cesariana pelas 12h.
Estava nervosa, com fome, empolgada, com vontade de rir e chorar, tinha deixado a Bia no jardim com a minha mãe, ela estava bem, sabia o que ia acontecer mas não tinha a real noção da mudança que estava prestes a acontecer.

O staff do hospital foi todo super cuidadoso e atencioso, muito queridos, muito prestáveis, lá me preparei e descemos. Meteram o catéter no braço (não gosto que coloquem na mão), pela primeira vez não me doeu bendita enfermeira, entrei para o bloco sozinha para levar a epidural e ser preparada e o Ricardo juntar-se-ia depois.
Avisei que da primeira cesariana a epidural subiu muito, deram menos mas mesmo assim subiu muito, tiveram de me picar 2 vezes porque me tocaram num nervo e parecia que tinha uma corrente elétrica de alta voltagem perna abaixo, dói que se farta apesar de durar pouco.
Odeio agulhas, a sério, então com este stress todo comecei a sentir-me a desmaiar, lá me deitaram, eu chorava e pensava mal da minha vida, senti mais que da primeira vez, tudo me era desconfortável, estive desconfortável o tempo todo, chorei bastante, estava nervosa mesmo com o Ricardo ali ao lado, segundo consta a certa altura tive a tensão bastante baixa mas eu sentia-me bem.
Perguntaram se queria ver a Sara nascer, disse que não, tinha receio de desmaiar mas queria ver assim que nascesse. Nasceu às 13h00, a chorar e quando a vi foi uma felicidade tal que já não quis saber do desconforto nem de nada, era a cara chapada da Bia quando nasceu.
Ela foi com o Ricardo fazer os testes e ele cortou o cordão, novamente sentiu-se mal, eu fiquei à espera deles até que me perguntam se quero ver a placenta, resposta imediata "não" e ainda brincaram comigo se não queria plantar uma árvore ou fazer umas cápsulas... Perdi pouco sangue, 300ml na cirurgia, tinha poucas adesões da cesariana anterior e não havia sinais de endometriose visível.

Eles voltaram e meteram a Sara no meu peito, junto de nós um aquecedor para ela poder estar comigo o máximo possível já que no recobro, por causa do CoViD, não seria possível.
Foi muito bom tê-la ali em cima de mim, a olhar para mim, com o Ricardo. Quando acabou eles foram para cima fazer contacto de pele e eu fui para o recobro, subi mais ou menos 1h30 depois, quando a epidural estava já a começar a passar apesar de não mexer os pés, eu estava estável, comi um gelado sem vomitar e queria muito subir.

Quando subi meti-a logo na mama, mais ou menos 2h depois dela nascer. Correu bem, ela estava bem, estávamos todos bem.
Falámos com a Bia mas ela chorou porque queria a mãe e o pai, concordámos que o Ricardo ia a casa no dia seguinte para lhe dar mimo e brincar com ela.

E assim começou esta nova aventura de uma família de 4... A Bia tem sido uma irmã espetacular, com alguns ciúmes mas não nos podemos queixar!