Homeland

Lamento ter falhado um post semanal mas aqui vai ele, mais tarde que o costume.
Homeland é uma série de drama que conta a história de uma agente da CIA, bipolar, altamente motivada e dedicada, inteligente e criativa, uma das melhores agentes que é destacada para a brigada anti-terrorismo. No seu novo papel Carrie vai tentar provar que um herói de guerra nada mais é que um agente infiltrado, convertido quando foi capturado na guerra.
A história vai mudando, não quero ser spoiler, e acabam por entrar outros personagens, as coisas desenvolvem-se e a trama vai mudando. É muito dinâmica apesar de ser fácil seguir.
A série, apesar de alguns erros, busca debater pontos importantes do pós-11 de Setembro, como a tensão entre moralismo e pragmatismo na política externa norte-americana, o preconceito contra muçulmanos, o papel da imprensa e as contradições da política. Tenta fazer-nos reflectir sobre o impacto das ações de Washington no mundo árabe-muçulmano. Não é extremamente patriota colocando em causa a postura dos Estados Unidos e até criticando algumas decisões.
É uma série de que gosto mesmo muito, os actores são bons, a atriz que faz de Carrie, Claire Danes, faz um papel espetacular ao longo das 8 temporadas (ainda em exibição). Não foi por acaso que ganhou um Emmy na sua primeira temporada.
Curiosos?


Já repararam?

Já repararam que na realidade não precisam daquela camisola para serem felizes? Nem daquele vestido, nem calças, nem sapatos ou mala?
Será que conseguiremos viver num mundo menos consumista depois disto?
Será que conseguimos viver com menos coisas, menos embalagens, menos viagens de carro, menos viagens de avião depois disto?

Será que conseguiremos sair disto melhores em vez de iguais? Será que vamos começar a comprar mais localmente e menos made in China?
Não sei, sinceramente não sei, não sei se as pessoas não irão tentar compensar o tempo perdido e fazer mais, gastar mais, consumir mais, gosto de acreditar que não, mas a realidade é que não sei...

Só sei que não vai ficar tudo bem! Milhares de pessoas morreram e irão morrer, centenas de milhares infectados e não se sabe se a infecção terá alguma repercussão a longo prazo, a economia vai sofrer, o desemprego está a subir e provavelmente irá subir ainda mais. Uma amiga mencionou, e com razão, que também muitas pessoas com problemas psicológicos podem estar a ser afectadas, muitas pessoas se sentem sozinhas e estarão a entrar em depressão sem ninguém que as possa acompanhar e ajudar.

Não, não vai ficar tudo bem, mas iremos continuar a viver, a maioria de nós pelo menos, iremos continuar a tentar ter uma vida "normal", um novo normal e espero que um normal melhor.



Não é o fim do mundo


Não é o fim do mundo se tivermos todos de cancelar as férias... É chato, é aborrecido, também eu estava na expectativa de umas férias espetaculares...
Antes disto rebentar para estes lados umas amigas perguntaram como conseguia eu marcar férias com tanta antecedência (marco férias com quase 1 ano de antecedência), então e se acontece alguma coisa? A minha resposta da altura continua a ser a mesma de agora, não consigo controlar o futuro, nem para amanhã nem daqui a um ano, logo é indiferente. Marco as férias a pensar que vai correr tudo bem, se algo acontecer logo se vê mas se não marcasse assim não arranjava férias tão em conta...
O nosso problema são as expectativas e acho que desde que fui mãe que consigo relativizar melhor as coisas. Ainda tenho uma pequena esperança sobre as férias, talvez as consiga mudar para uns meses mais tarde, ou não, logo se vê e o que for será. Cancelaram consultas (que já estava à espera), não é fixe mas é compreensível!
Agora o que é mesmo chato e triste e preocupante é que milhares de pessoas já morreram, muitas estão doentes, gravemente doentes e não se sabe o que vai acontecer. Triste e chato vai ser a crise que virá após a quarentena. Isso sim é triste e chato, as férias desde que haja saúde podem-se fazer noutra altura... Deixemos de olhar para o nosso umbigo e olhemos para o contexto geral, tentemos retirar lições para quando isto acabar voltarmo melhores, que esta fase nos torne mais conscientes do nosso impacto no mundo e que saibamos viver com menos, ser felizes com menos coisas e vivermos mais!


Deixo-vos com uma das melhores músicas que ouvi sobre a quarentena que se intitula "Stay the fuck at home", prestem atenção à letre que é qualquer coisa de fantástica!


Hustlers

Vimos o filme Hustlers, que tem como actriz principal a Jennifer Lopez. O filme é sobre como um grupo de strippers desviou dezenas de milhares de dólares dos seus clientes, qual era o esquema delas, porque o fizeram, as divergências e a amizade que as unia. Este filme é baseado numa história verídica e elas cumpriram muito pouco tempo de pena, até porque muitos homens com vergonha não denunciaram, afinal perderam dinheiro fornecendo as informações para tal a strippers...

Não acho que seja um filme espetacular mas achei bastante interessante principalmente tratando-se de uma história baseada em factos.
Já viram? Ouviram falar?



A nossas novas rotinas

Gostaria de, em primeiro lugar, informar que se não tivesse uma filha de 2 anos ficaria de bom grado em casa saindo apenas para fazer compras, conseguiria treinar todos os dias, talvez duas vezes por dia, trabalhar calmamente (porque até tenho coisas para fazer), planear refeições, ler 300 livros, fazer 100 cursos on-line e até aprender holandês. Mas a realidade é que tenho uma filha de 2 anos que todos os dias pede para ir ao parque, às compras, à praia, andar de bicicleta, jogar à bola... Já consegui limpar 2 portas, uma casa-de-banho incluindo os azulejos todos mas não está nem perto do que queria fazer mas não me chateia terrivelmente, desde que fui mãe consigo aceitar que faço o que consigo e o que não consigo farei depois, sem stress, sem me consumir, sem grande culpa.

Os nossos dias têm sido assim, levantamo-nos às 6 da manhã como de costume, o Ricardo vai cuidar dela e eu fico a preparar o pequeno-almoço, comemos juntos, o Ricardo sai e nós ficamos. Pelas 8h/8h30 vamos as duas ao parque, de manhã cedo há pouquíssima gente na rua e ninguém no parque, está sol mas temperaturas negativas, agasalhamo-nos bem e vamos. Às 9h come fruta e uma bolacha de arroz (antes desinfectamos bem as mãos), continua a brincar mais um bocado até eu ter frio ou ela querer ir embora, se tiver de treinar às 10h venho para casa a tempo de o fazer e ela até vai fazendo também alguma coisa. Chegamos a casa lavamos bem as mãos a cantar o parabéns e damos comida e vitaminas à Tuga, brincamos ou ela vê um bocado de Panda ou da Minnie (depende do dia e da disposição), almoçamos pelas 11h30/12h, ela vai para a cama e agora demora 1h a adormecer quase (está muita luz, não há estores e os blackouts não são perfeitos), acorda, lancha ou não, o Ricardo já costuma estar em casa e eu tento trabalhar um bocado enquanto eles brincam (nalguns dias saio para ir ao laboratório quando é preciso), prepara-se o jantar e jantamos entre as 17h30 e as 18h, entre as 18h30 e as 19h começa o ritual de ir dormir (dentes, banho, história, cama).


Aproveitámos esta altura para tentar mudar um bocadinho os horários, almoçar às 12h, ir para a cama às 12h30, jantar às 18h e cama às 19h30 com esperança que isto a leve a acordar depois das 6h em vez das 5h45 a que anda a acordar agora...

Em relação a como me sinto, acho que me sinto tranquila, preocupada, às vezes irritam-me algumas atitudes de gente parva e inconsciente, mas não tenho ficado alarmada com as notícias, acho que conhecimento é sempre bom desde que não nos deixemos consumir pelo medo.


Temos ido à praia fluvial, sem ninguém, com frio mas sempre apanhamos ar...


Decidimos usar estas conchas que usámos no verão como piscina para fazer de caixa de areia, ainda deu quase 1h a fazer gelados de areia...

Não preciso que me devolvam o dinheiro


Muito tenho lido sobre pessoas que querem o dinheiro da creche de volta porque os miúdos não vão ou o dinheiro da inscrição no ginásio porque não vão. Eu, na realidade não quero nada. Eu continuo, até ver, a receber o meu ordenado logo não me faz diferença no orçamento mensal, claro que quem não tem esta segurança deveria ser ajudado, quem trabalha por conta própria, a recibos/prestação de serviços precisa mais do que eu!
Eu quero que a minha filha tenha as mesmas pessoas à sua volta quando voltar à creche, que essas pessoas sejam valorizadas e continuem a ser pagas para que se sintam bem onde estão e continuem a providenciar serviços de qualidade a todas as famílias.

Também recebi um e-mail do pole dance, a dizer que iam tentar devolver o valor e entretanto se quisesse iriam disponibilizar aulas on-line. Eu respondi que não queria dinheiro algum, tenho aderido às aulas on-line, com o desafio de às vezes ter a Bia a desajudar mas a verdade é que eu sei que eles trabalham por prestação de serviços, se não trabalham não recebem e neste momento as actuações e workshops que tinham foram cancelados. Prefiro continuar a pagar para pessoas com quem me preocupo continuem a ter algum dinheiro ao fim do mês.
Acho que em alturas como estas temos de pensar nos outros e no que representa para os outros ter de ficar em casa. Se não afecta o nosso orçamento familiar não é muito mais justo ajudar quem precisa tendo em conta que não nos prejudica?


Modern Family

Adoro esta série, é simplesmente hilariante! É a família mais disfuncional e cómica que existe.
O avô que casou com uma mulher muito mais nova e toda jeitosa, columbiana que já era mãe de Manny, um rapaz "sensível", os filhos Claire e Mitchell. Claire é completamente obcecada com organização e control freak, casada com Phil que é um caos, cómico e super relaxado. Não podiam ter três filhos mais diferentes. Mitchel é um advogado, casado com Cam são a dupla gay mas fantástica de sempre e a filha adoptiva Lilly é super sarcástica e adoro.
Neste séries brinca-se com o todos os esterótipos possíveis mas com leveza e bom gosto. É mesmo uma série para ver para relaxar e rir!


Dia do pai

Recentemente o Ricardo esteve fora uns dias e eu pensei que ia conseguir fazer imensa coisa depois de meter a miúda na cama, mas chegando ao final dos dias morta e não me apetecendo fazer nada levou-me a decidir não fazer nada mesmo! Mesmo assim dei cabo das costas e ainda não me recuperei (já lá vai mais de uma semana).
Uma vez disseram-me que não era assim tão mau ser mãe solteira, que é menos um a sujar, a comer, etc... Até pode ser assim se o vosso parceiro for um inútil egoísta o que não é o caso do Ricardo. Por isso eu acho que o melhor mesmo é ter uma pessoa ao nosso lado que é, ou deveria ser, normal, que faz de tudo, que partilha tarefas em vez de fazer o favor de ajudar, que é um pai com tudo o que isso inclui (faltar ao trabalho por doença da filha, trocar fraldas, lavar roupa, fazer comida, brincar, ir consolar durante a noite).
Eu não podia estar mais grata pelo marido que tenho, pelo pai que a Beatriz tem porque eu sei que ele faz o melhor que consegue e que a vida sem ele seria, sem dúvida, muito mais difícil e aborrecida!


A situação na Holanda

Na quinta-feira passada ainda se afirmava convicentemente que as escolas não iam fechar, ontem decidiram que iam fechar. Foram precisos mais de mil casos confirmados para se tomarem as mesmas medidas que em Portugal se tomaram com pouco mais de cem.
Mas pronto as escolas e creches fecham, a Universidade também, outros institutos não e conheço quem pudesse trabalhar de casa mas que não lhe foi indicado o mesmo.
Os testes apenas são feitos em casos graves, não há kits nem capacidade de resposta para testar toda a gente que tem sintomas, nem aqui nem em Portugal. As medidas são para se ficar em casa o mais possível, caso ainda estejam a trabalhar mas surjam sintomas é para ficar em casa. Claro que se podem passear os cães e eu e a Bia saímos todos os dias, hoje fomos dar uma volta de bicicleta. As ruas estão calmas, não me cruzo com quase ninguém e até está bom tempo, se me dirigisse a algum sítio em que estivessem pessoas ia-me embora mas até agora tem estado calmo.
Tenho uns amigos que estão doentes mas não foram testados, eu até não percebo porque ela está mesmo com dificuldades respiratórias graves e hoje, sem fazer exames alguns fora auscultação pulmonar, foi-lhe prescrito antibiótico. Espero que melhore amanhã porque se assim for provavelmente era bacteriano mesmo.
A sociedade portuguesa de pneumologia tem um vídeo em que explica algumas coisas sobre esta doença viral, vejam aqui.
Outra coisa que gostava é que não acreditassem em tudo o que lêem, recebi hoje uma foto de uma notícia em que uma rapariga que vive na Holanda diz que está tudo na mesma, as pessoas não querem saber mesmo com mais de duas dezenas de mortos... Mas na realidade os transportes andam muito mais vazios que o normal, os supermercados ainda vão tendo pessoas é verdade mas nas farmácias também se entra com restrições, etc. Se eu acho que demoraram muito a tomar uma decisão mais firme, sim acho que sim, mas as pessoas estão preocupadas senão não haviam prateleiras quase despidas nos supermercados.
Por favor não acreditem em tudo, há alguns sites bons para acompanharem a situação como o site da dgs, o Observador tem feito um bom trabalho, têm aqui uns mapas e tabelas a nível mundial, a revista visão ou até a agência Lusa...
Outra questão que circula é se se podem tomar anti-inflamatórios ou não. No caso da varicela (viral) é altamente desaconselhado. Neste caso há alguma indicação que poderá não ser o melhor medicamento para combater a febre, visto que nada mata o vírus sem ser o nosso sistema imunitário, em caso de dúvida eu tomarei paracetamol...
Mantenham a calma, não fiquem chateados por vos cancelarem consultas ou pequenas cirurgias, porque se forem canceladas é porque não é urgente e neste momento essa é a menor preocupação a nível de saúde pública! Sejam razoáveis e fiquem contentes de não vos meterem em risco desnecessariamente!
Fiquem por casa e em sítios sem gente, não vão para a praia, bares, etc... Não sejam cromos!



Correu tudo bem

A Bia foi operada ontem... Demos entrada no hospital às 9h, ela ir em jejum foi mais fácil do que pensei (viu a Minnie mouse e ficou sossegada). Entrei com ela pelas 9h20, saí quando adormeceu, uns 7 minutos depois já nos estavam a chamar para irmos ter com ela e ela estar connosco ao acordar. A anestesista era portuguesa e digo que foi muito reconfortante, ela até foi depois ter connosco para dizer que correu tudo bem e que ela podia ter alguma tosse da anestesia.

Peguei na Bia ao colo, ela ainda meio a dormir, lá acordou a chorar baixinho e pediu a xuxa, que fomos autorizados a dar. Explicaram o que seria normal na reacção dela, que ela tinha algum sangue mas que era normal e que lhe devíamos dar água. Ao final de uns 30 minutos depois de acordar já estávamos à janela a ver se havia passarinhos. Apareceu uma enfermeira com uma cesta de prendas com livros, puzzles, carimbos e ela escolheu bolas de sabão e pouco depois veio um gelado/sorvete de pêra, o primeiro gelado da vida da Beatriz, exactamente aos 27 meses. Demos o gelado agarrando no pau mas ela quis comer à colher ahahah.
Depois veio o diploma da operação, porque ela se portou muito bem! De seguida vieram uns animadores palhaços a cantar e dançar. Entretanto veio uma enfermeira explicar o que seria normal nos dias seguintes, quando é que temos mesmo de telefonar e para onde, quantos dias temos de ficar em casa, que costumam fazer um telefonema no dia seguinte para saberem como está tudo mas que se não ligassem não nos preocupássemos, depende do fluxo de pessoas se têm tempo para tal mas que nós podemos e devemos ligar sempre que haja dúvidas e que estão disponíveis 24h.

A médica veio dar alta e fomos marcar a consulta de follow-up para a próxima semana.
Comeu duas panquecas no hospital, 1h depois comeu arroz com vegetais e ovo, dormiu a sesta, bebeu água, brincou e esteve perfeitamente normal. A noite foi atribulada mas hoje tem estado sem dores e relativamente normal, um bocadinho desconfotável por vezes mas bem.
Obrigada a todos os que perguntaram e mandaram mensagens a desejar boa sorte, desculpem se me esqueci de responder mas é muita gente e muita coisa e às vezes esqueço-me.