Porque é que a Holanda é o segundo país com mais contaminados da Europa

De acordo com o CDC europeu a Holanda tem a segunda taxa de infecção mais alta da Europa por coronavírus.
O motivo explicado no artigo é que os holandeses não são muito bons a impor regras e que raramente há penalizações para quem nào as cumpra (no caso de delitos menores).
Também o uso de máscara foi apenas aconselhado e reforçado há 10 dias porque há a defesa da ideia que as máscaras protegem pouco e podem levar a uma falsa sensação de segurança tendo menor eficácia que a distância social e higienização das mãos. Mesmo que o governo quisesse tornar o uso obrigatório não têm esse poder, o governo não pode limitar a liberdade das pessoas a esse nível e a proposta para que seja possível em situações de excepção, como esta, só será avaliada em Dezembro porque o governo não tem maioria absoluta.

Ou seja não há penalizações para quem não cumpre, o governo não pode exigir muito legalmente e eles não são de cumprir se estiver fora da sua área de conforto.

Entretanto há novas medidas, máximo 3 visitantes a cada 24h, grupos na rua não podem ser compostos por mais de 4 pessoas (se forem de famílias diferentes), trabalhar em casa sempre que possível. Nas próximas 4 semanas, cafés, restaurantes e bares só servem take-away, não é permitida a venda de álcool entre as 20h 3 as 7, os restaurantes de hotéis apenas estão abertos para hóspedes, coffeeshops também apenas abertas para take-away.
Aconselham fortemente o uso de máscaras em locais fechados e em escolas e universidades sempre que a distância de segurança não seja assegurada.
Desportos de grupo não profissionais, com mias de 4 jogadores, estão também suspensos. Lojas fora supermercados fecham às 20h com entrada limitada de pessoas.
Viagens devem ser limitadas ao mínimo indispensável e sempre que possível dentro do país apenas sendo aconselhada quarentena de 10 dias caso o país de origem estiver com código laranja.



Dúvidas que me assolam nesta gravidez

 Como vai a Beatriz reagir a um irmão? Acho que toda a gente se questiona qual a reação dos filhos já nascidos face a um novo membro da família. Eu acho que vai correr bem mas também sei que dependerá da nossa abordagem, claro que vamos andar atarefados mas não podemos deixar de ter tempo para ela, os 2! Tentaremos envolvê-la o máximo possível e o quanto ela quiser dentro de limites que consideremos razoáveis. Mas ela é uma miúda carinhosa por isso acho que tem tudo para correr bem!

Qual o tipo de parto? Fiz uma cesariana e por isso tenho a hipótese de escolher parto normal ou cesariana (a única forma de se fazer cesariana na Holanda sem motivo médico é uma ceariana anterior, há opções de tudo, em casa, casa de partos, hospital, piscina, bola de pilates, com luz diminuída, em pé, com ou sem medicação mas cesariana não é uma delas!). A decisão só vai ser tomada mais tarde porque se este bebé não virar será novamente cesariana. Se virar não sei. Se por um lado tenho consciência que um parto vaginal traz benefícios para o bebé (para a mãe eu acho que nem por isso, a maioria dos partos normais de amigas/colegas levou a um pós-parto pior que o meu, que foi fácil fácil), por outro lado a cesariana é um parto que eu já conheço e o resultado foi uma bebé sem cólicas enormes, amamentar em exclusivo uma semana após o parto, um bebé saudável. Fora que grande parte das vantagens do parto natural se diluem ao longo do tempo e a certa altura não há diferença quantificável.

Outra questão relativa ao parto é que é normal nos sentirmos confortáveis com algo que experienciámos e correu relativamente bem. Agora até posso ir para outro hospital com cesariana humanizada o que iria melhorar a experiência com certeza! Porque sim, uma cesariana não é um parto lindo mas há formas de o tornar mais simpático.
Na realidade inclino-me muito para uma cesariana, uma das minhas melhores amigas tentou um parto vaginal após cesariana que não resultou e acabou por correr muito mal e em cesariana de emergência. Outra grande amiga teve de ser induzida, acabou em cesariana de emergência e também não foi fácil. Mal por mal, se for para acabar em cesariana que seja planeada porque é muito diferente.
Não me julguem, não é por não parir que sou menos mãe, que gosto menos das minhas filhas, que não lhes quero bem.

Outra pergunta que me assola é "Quem ficará com a Bia?" Sim é outra coisa a ter em conta. Não sei como vai estar isto de CoViD em Março mas eventualmente alguém tem de ficar com a Bia. Se for parto vaginal ao fim de algumas horas (em situações normais) vamos para casa. Se for cesariana demora uns dias (também depende do estado de saúde do bebé e da mãe). Tenho vários candidatos em quem posso, felizmente, confiar a minha filha cegamente! No topo da lista está a Luísa (minha prima) e o Arno com quem já falámos e em caso de ser necessário pessoas extra também será fácil arranjar alguém, mas como é que ela se vai sentir não sei, como vamos gerir aa noites se for preciso não sei.

São várias perguntas que decidi que a maioria iria guardar mais para o final da gravidez, há coisas que não controlamos por isso é aguardar e depois ir decidindo. Sei que tenho muitos amigos e família a quem deixar a Bia e sei que ela vai ficar bem entregue, sei que tenho boas intenções e que me vou informar quanto a como melhorar a introdução do novo membro da família e no final irá correr tudo bem.




Os enjoos... que saudades #sqn

Das piores coisas da gravidez, pelo menos de uma gravidez minimamente saudável, são os enjoos!
Estive bem enjoada uns 2 meses e medianamente mais umas semanas, passou há coisa de uma semana (quase com 4 meses), desta vez é diferente da gravidez da Bia. Na outra gravidez eu estava constantemente mal disposta, num nível relativamente baixo, irritante mas nada de extremos. Nesta parece uma montanha russa, há partes do dia em que não estou enjoada de todo (tipo 30minutos-1h) e até tenho acordado e ficado bem os primeiros 20/30 minutos. Depois pelas 9h começam os enjoos mais a sério, tenho assim uns 3 picos no dia, já estive perto de vomitar, coisa que nunca aconteceu na gravidez anterior.
Nas últimas semanas tenho estado ligeiramente melhor, os enjoos neste caso associam-se mais ao cansaço, no fim do dia ando mais exausta e mais enjoada, apesar de continuar a ter um ligeiro mau estar todo o dia. Entretanto esta semana parece que os enjoos passaram na maioria, às vezes tenho assim um leve  e curto episódio. Agora o cansaço não passou e já me disseram que da segunda gravidez não passa, trabalhar em full-time, andar de bike com 14kg extra (da Bia), ter uma criança para entreter, por vezes o dia todo e não a querer meter a ver tv o dia todo, é extenuante.
Apesar de tudo a Bia diz que quer um bebé na barriga dela e já lhe disse que quando for maior de idade pode fazer o que quiser e ela disse "OK". Agora diz que o bebé é dela, outras vezes diz que já não quer bebé, levo tudo com leveza (ou tento) e logo se vê...



Das decisões que tomamos do nada

Estava eu, há umas semanas, a vir para casa de bicicleta e dei por mim a pensar nos tratamentos de fertilidade. Tinha tido a primeira consulta pré-tratamentos e vinha a pensar que não queria fazer punções, que não queria fazer FIV (fertilização in vitro). A Bia foi concebida à terceira sessão de IIU (inseminação intra-uterina) e nós temos oportunidade de fazer 6 sessões. Se não acontecesse, não acontecia.

Entretanto sigo um blogue de uma mulher que andou nos trâmites da infertilidade anos, sem sucesso e decidiu que para ela chegava. A quantidade de pessoas que lhe disse para não desistir, que ela tinha de continuar, que poderia ser no próximo tratamento... Chateou-me, incomodou-me! A sério! É nestas alturas que devemos apoiar os outros ou não?! Não seria a hora de lhe dizer que ela é uma mulher forte, que fez tudo o que conseguiu, que lhe desejamos as maiores felicidades e força numa fase que, deduzo, não seja fácil?!

Eu percebi que era incapaz passar anos nisto. Passei 3 meses para ter a Bia e digo-vos que, tendo sido levado com algum humor e leveza, não é algo fácil, não é prazeroso, é desafiador, é demasiado controlador, é uma valente bosta. E sabem que mais? Não há problema nenhum em decidir que não queremos mais, em delinear um limite, só porque outros fazem 15 ciclos não quer dizer que nós tenhamos de fazer o mesmo ou mais!

É uma pena a infertilidade deixar tanta gente desconfortável. Que casos que acabam sem uma gravidez de termo e um bebé nos braços sejam vistos com maus olhos e algo que se deva esconder. Que não se consiga aceitar e apoiar quem chegou ao seu limite.

Como em tudo, julga-se demais sem se compreender!




Segundo teste sanguíneo

E chegou segunda-feira... Ao longo do fim-de-semana fui ficando mais optimista e também mais revoltada com a forma como a ecografista falou e toda a sua postura durante a consulta, na realidade.

Lá fui eu fazer análise ao sangue e fui trabalhar. A hora de dar os resultados aproximava-se e fui ficando mais nervosa. Até que ligaram e o resultado era muito bom, o valor tinha quadruplicado então decidiram fazer nova eco. Lá fui eu logo de seguida. Já se via o saco e o início de umas estruturas, estava grávida de mais ou menos 5 semanas e 3 dias ou 4, tal como eu deduzia.
Por haver um hematoma decidiram voltar a marcar eco para a semana seguinte (4 de Agosto) para ver se o mesmo era reabsorvido. Se houvesse hemorragia tinha de ligar mas até ver podia fazer a vida normal.
Foi um alívio e poucos dias depois estava a fazer uma reclamação de 1 página A4 sobre o que aconteceu na primeira ecografia.
Também entretanto decidi que ia ser seguida numa clínica de parteiras, por ter tido uma cesariana serei reencaminhada para o hospital às 36 semanas e preferencialmente vou para outro hospital (que é mais humanizado e perto o suficiente)

A 3a ecografia foi feita, tinha um embrião com batimento cardíaco visível mas não audível. Eu vi logo o coração a bater e foi um descanso. Apenas se vê o coração após as 6 semanas por isso, mais uma vez se confirmou que as minhas contas estavam certas. Viram-se braços e pernas e tudo parece normal para a idade gestacional.




Íamos aguardar para dizer aos nossos pais mas não nos aguentamos de alegria e acabámos por contar nos dias que se seguiram à eco. 

Foi bom ir de férias sabendo que, até ao momento tudo parece normal.
Os enjoos continuam em força, principalmente da parte da tarde. Decidi não tomar nada porque acho que, apesar de extremamente desagradável, é gerível.
Entretanto em Portugal fiz o Harmony e aguardo o resultado... Amanhã (15-09) tenho a primeira consulta com a parteira que me vai acompanhar até à semana 36.

Continuo a achar que estar grávida não é uma cena super fixe, como muitas mulheres acham, claro que andar enjoada e exausta não ajuda, claro que é fantástico o que o nosso corpo consegue fazer, mas não consigo retirar prazer nenhum deste estado. Mesmo quando os enjoos passarem a barriga cresce e fica difícil dormir e pegar na Bia ao colo, já ando aflita dos pulsos, uma alegria portanto. Já estou a ficar com barriga (que na gravidez da Bia só aconteceu lá para os 5 meses, agora com 3 já se nota).

Primeira ecografia

Vou fazer um ecografia muito muito cedo porque não sei ao certo de quantas semanas estou grávida. A última menstruação começou dia 29 de Maio mas eu acho que ovulei dia 1 de Julho e isto dá uma diferença de 2 semanas de estimativa. Claro que convém saber a quantas andamos para saber quando deve ser a primeira consulta então a enfermeira de obstetrícia decidiu que iria fazer uma eco hoje (23 de Julho) para ver a quantas andamos.
Vou novamente ser seguida no hospital aqui ao lado, não é muito comum sermos seguidos em hospitais mas sim em centros de parteiras e depois o parto é feito em casa, numa casa de partos ou no hosptial consoante o que se prefere. Eu como fiz cesariana tenho sempre de fazer um parto hospitalar, mesmo que não fosse assim iria fazer um parto hospitalar, é mesmo ao lado do trabalho o que facilita imenso as consultas. Muita gente é desaconselhada a ser acompanhada no hospital porque vemos sempre, ou quase sempre, pessoas diferentes e há quem não goste disso mas eu acho que para mim é indiferente.

A consulta começou mal, a ecografista (não sei se é assim que se chama à técnica de ecografia) cismou que eu tinha de estar de 8 semanas, de acordo com a minha última menstruação, mas eu sabia que tinha ovulado tarde, dia 1 de Julho quase de certeza. Assim sendo, dizia ela, era impossível ter um teste positivo dia 17, ora se eu fosse uma pessoa com um ciclo de 28 dias e ovulasse a meio do ciclo no dia 17 já teria atraso, ela continuou a ser muito inconveninete e ignorou o que eu disse.
Deitei-me, não se via nada no útero nem nas trompas e ela disse literlamente "não, não há qualquer sinal de gravidez aqui" (No, there is no pregnancy here). Eu reforcei que estaria no máximo de 5 semanas e ela apenas reforçou o que disse antes, disse para me vestir e esperar na sala de espera que tinha de falar com a médica. Saí, liguei ao Ricardo e desabei, duvidei mesmo de mim, será que tinha tido um positivo? Até enviei a fotografia do teste a uma amiga minha que está grávida para perguntar se eu estava maluca ou se havia uma linha azul no teste (fora o controlo).
Há formas de ser falar, é a segunda gravidez e a segunda vez que me dão potenciais más notícias assim, como se eu fosse uma parede ou um robot. Se não têm a certeza, porque não há forma de ter apenas com uma eco, então que sejam cautelosos com o que dizem, que digam que seria esperado ver o saco gestacional e por isso têm de falar com a médica, que pode ser ainda cedo ou de facto que algo tenha corrido mal na gravidez mas que se tem de aguardar e fazer mais testes.
Enfim, fiz análise sanguínea e deu positivo mas, novamente, uma análise diz muito pouco, então tive de marcar nova anáslise para segunda-feira.
Desta vez a notícia foi dada de forma mais empática, que na realidade o teste com a eco não diz muito, que dependia do teste de segunda e que tinha algumas reservas, porque não se sabia ao certo o tempo gestacional, por isso não iria tirar qualquer conlusão, finalmente alguém normal! Fiquei triste e preocupada e posso dizer que foi um fim-de-semana longo mas que fui ganhando alguma esperaça conforme se aproximava segunda-feira.

O teste

Levantei-me e fui fazer o teste, estava nervosa/ansiosa. Por um lado achei que era possível e por outro estava convencida que era apenas o meu lado esperançoso a falar.
Rapidamente apareceu uma risquinha azul, ténue mas lá, do lado do positivo. Achei que aquilo ia desaparecer, afinal dizem para esperar 3 minutos e não até 3 minutos, o que é bastante diferente para mim. Mas não desapareceu, esperei mais um minuto para ter a certeza e mostrei ao Ricardo "o que é que isto quer dizer?" "Que estou grávida" respondi, "A sério?" "Pois parece que sim" e depois veio um grande abraço e beijos e decidir o que fazer, dizer ou não dizer e decidimos esperar pela nossa visita a Portugal em Agosto porque já se sabe que até às 12 semanas tudo é possível, quer dizer tudo é possível até ao fim mas as primeiras 12 semanas são as mais delicadas.
Como estava com a miúda acabei por deixar o teste em cima da sapateira na entrada e já olhei para ele umas 20 vezes, a banda está mesmo lá...
Já tive algumas dores nos ligamentos, principalmente a virar-me de um lado para o outro na cama, o que me causou preocupação. Todos os dias acordo com com receio de ver sangue, é estranho porque tenho muito mais receio do que na gravidez da Bia, talvez porque na outra foi tudo tão planeado e fiz exame sanguíneo para confirmar em vez de um teste de farmácia (aqui é assim, o teste de farmácia deu positivo está bom, primeira consulta é lá para as 9 semanas, numa gravidez espontânea).
Agora é esperar que tudo corra bem, e se sair uma criança semelhante à Bia já ficava contente, porque sendo desafiante não posso dizer que ela seja uma miúda especialmente difícil...

Resultados possíveis

O meu teste


Amanhã

Decidi que se o período não me vier até amanhã de manhã, 17/7/2020, faço um teste de gravidez.
Nos últimos dias tenho andado um bocadinho ansiosa, afinal há meses que não tenho um ciclo maior do que 42 dias e a média é 34.
Porquê a escolha de dia 17? Ora porque eu acho que posso ter ovulado dia 1 (último dia do meu ciclo médio) e fazer um teste cedo de mais iria dar um falso negativo e 50 dias é um número redondo. Não seria a primeira vez que teria um ciclo de 2 meses mas são raros, em nova tinha frequentemente no Verão ciclos mais longos e depois de parar a pílula tive 65 dias sem ter hemorragia alguma.
Há alguma expectativa, tenho-me cruzado nos últimos dias com o teste e não sei se tenho mais medo do positivo ou do negativo. Não me tenho comportado como se pudesse estar grávida, bebi um copo de vinho ou 2 alguns dias que estivemos com amigos, não pensei que ia chegar a este ponto e tenho tentado convencer-me que vai dar negativo, mas há sempre uma réstia de esperança (mesmo que eu não goste de o admitir).
Outra coisa que me faz estar mais consciente é que por vezes fico mal disposta, sem razão aparente, de manhã e ao fim do dia e tem-me incomodado o botão das calças, que foi algo que me incomodou muito cedo na gravidez da Bia e me fez ir, com poucas semanas de gravidez, comprar calças de grávida.
Ainda me questiono se vou partilhar aqui em tempo real. Sou honesta e quero continuar a ser mas uma gravidez tem muito para correr mal nas 12 primeiras semanas e não sei se vou querer alimentar expectativas sobre algo tão incerto.

A primeira vez que a Bia...

 A primeira vez que a Bia comeu um gelado, sem ser o gelado de fruta que lhe deram após a cirurgia ou os gelados de fruta feitos por nós, foi em Junho, com os meus pais cá de férias. Há uma gelataria aqui perto, bastante boa até, ela ficou fã e pedia com frequência mas se dizemos que não aceita perfeitamente... Não acho mau ter sido aos 2 anos e meio.

A primeira vez que a Bia foi ao Mcdonalds foi nestas férias (2 anos e 9 meses) e a maior festa que fez foi quando viu as tiras de maçã. Acho que estamos a fazer um exclente trabalho quando perante batatas fritas e hambúrguer a felicidade é com tiras de maçã ahahah

E pronto, é isto. Sabemos que eles vão ser introduzidos a fast food e afins mais cedo ou mais tarde. Quanto mais tarde melhor e quanto mais equilibrada a alimentação em casa melhor porque sabem que o que se deve comer é o que se come mais vezes e que as goludices também têm lugar em dias diferentes ou excepcionais.

Nós vamos muito poucas vezes comer fast food, apreciamos mais um hambúrguer mais como deve ser e umas batatas fritas artesanais do que fast-food, já chegámos a passar mais de 1 ano sem ir sem qualquer problema. E vocês, são fast food adicted, anti fast food ou como nós que acham que em excepção não é problema?


Imagem retirada da internet

De volta

 Estive muito ausente porque estivemos de férias, e nas férias eu desligo-me mais deste mundo virtual, afinal férias são férias!
Comemos muito, descansámos, estivemos com menos pessoas que o normal mas o novo normal também é diferente e exige medidas diferentes.
Ainda assim vimos a bebé da Pipa (a primeira visita que fizemos), já me tinha esquecido de como os bebés nascem tão pequenos. Foi bom vê-los, foi bom aquele bocadinho que deixa ainda mais saudades, mas é um até já e nunca um adeus.
Quanto a voar nesta altura, talvez por sermos 3 e não termos vizinhos desconhecidos me tivesse sentido relativamente segura, tanto quanto podemos num avião. Para Lisboa o avião ia meio vazio havendo bastante espaço para todos, na volta vinha mais composto. O uso de máscara é obrigatório excepto para comer/beber.

Para ambos os lados tivemos de preencher uma declaração de saúde mas no regresso ninguém a foi recolher, nem à saída do avião nos pediram. Então decidimos ir ao posto de testes COVID do aeroporto e perguntar o que fazer com o mesmo. Foi-nos dito que, visto virmos de Lisboa (que está com cor laranja) podíamos colocar no ecoponto azul. A sério??? Ainda coloquei no instagram e identifiquei o RIVM (ministério da saúde) e claro que nem responderam. Fora ser um desrespeito, é um gasto de papel desnecessário.

Enfim, não deixar que coisas tristes nos toldem os bons momentos passados...




Quando me apercebi que estava apaixonada por ti!


Era a festa de Natal do trabalho, não fui ao Jantar porque estava a trabalhar mas quando saí fui ter à festa. Dancei, bebi, conversei, ri, tirámos fotos (uma delas só nós 2) e chegou a hora de ir embora.
Tinhas ficado à minha espera, já tinhas oferecido boleia mas não sabia se ias ficar mesmo até ao fim, mas ficaste (óbvio, dirás tu). Fomos em direcção ao carro que estava longe para burro e os meus pés estavam a rebentar de andar todo o dia de saltos, ainda por cima stilletos de 20cm e eu ando sempre de ténis, não aguentei e tirei os sapatos, achei que me ias achar louca mas não...

Fomos o caminho todo a falar e a rir, chegámos ao carro e continuámos a falar, a falar, até que estava quase de dia, eu tinha de ir para a universidade e tu tinhas de trabalhar. Nesse momento percebi que não queria ir embora, não queria que a conversa parasse, que me fosses levar a casa e fosses embora, queria ficar ali, naquele momento, em que te contei fases da minha vida complicadas e tu meteste a tua mão em cima da minha para me reconfortar. Se fosses outro provavelmente terias pensado que era cedo demais, partilha demais e que não querias ter nada a ver comigo, mas tu não, ficaste, a nossa relação de amizade em breve se tornou algo mais, que eu achava que estava condenada ao fracasso... Não podia estar mais enganada!

Quando me perguntam o que mudava eu na minha vida se pudesse, acho que não mudava nada, porque as minhas decisões levaram-me até aqui e eu não podia estar mais grata por te ter ao meu lado e por tudo o que eu consegui e o que nós conseguimos até hoje!

Obrigada Vera do passado por todas as decisões que tomaste, porque nos trouxeram aqui e não podia estar mais agradecida!



Little fires everywhere

É uma mini-série de drama, baseada no romance de Celeste Ng, tem como atrizes principais Reese Witherspoon e Kerry Washington, que são também duas das produtoras da série.
A série foca-se na relação entre duas famílias muito distintas, com experiências diferentes e visões diferentes do mundo. Toca nas relações filhos/pais, racismo, arte, o peso dos segredos e suas consequências.
É uma série muito interessante que nos leva a ter momentos de ficarmos irritados com ambas as personagens principais ahahah no final da temporada ficamos só irritados com uma mesmo.
Acho que vale muito a pena ver!


Até tenho jeito... quem diria

A modos que não sou a pessoa mais jeitosa do mundo para artes e trabalhos manuais. Mas queria que o baby shower da Rita fosse inesquecível e tivesse alguma coisa que fosse tradicional deste tipo de eventos.
Pus mãos à obra e decidi que ia tentar fazer um bolo de fraldas. Sei que eles querem usar fraldas reutilizáveis mas também sei que no início é complicado e quando se sai ainda mais por isso, depois de falar com ela, comprei umas fraldas da bambu nature que na minha opinião são as melhores das eco-friendly.
Ora que é muito mais fácil do que pensava porque se usa mesmo uma forma de bolo, se enfiam as fraldas em camadas, mete-se a fita à volta e desenforma-se...
A ideia do bolo também foi minha, ela queria um naked cake mas achava sem graça, sugeri usar flores como decoração.
Ela fez babies on a blanked (mini folhadinhos de salsicha enrolados como se fossem bebés) e eu coloquei sementes a fazer de olhos (qeu trabalheira). Fiz também brigadeiros de côco ou beijinhos, comprei a melancia para as espetadas de fruta e ajudei a arranjar as coisas.
Foi uma tarde bem passada, muito quente mas bem passada :)





Homecoming

Um doas produtores executivos é Julia Roberts, que também é protagonista na primeira temporada.
Heidi (Julia Roberts) gere um projecto que visa melhorar a reinserção de soldados na vida civil (Homecoming) e ela é a psicóloga que os acompanha e tenta tratar os seus traumas. Tudo parece ter um bom fundo mas o chefe dela faz uma grande pressão para ter resultados rapidamente, algo com que ela se sente desconfortável.
Quatro anos depois Heidi tem uma vida completamente diferente, é empregada de mesa num café na cidade da mãe, com quem voltou a viver, e tem dificuldades em recordar-se do tempo passado no edifício Homecoming e o que fazia, com quem lidava, etc.
Uma reclamação para o Departamento da Defesa leva a que seja aberta uma investigação e acaba por levar Heidi a descobrir a verdade.
Esta série tem várias coisas boas, fora actores bons, os episódios são pequenos e às vezes até parecem pequenos de mais mas é melhor assim do que episódios de 1h. Acho uma boa série e fácil de ver.


Mais da Bia

Come com talheres, vê animais no cocó que faz no penico (há quem adivinhe o futuro nas folhas de chá pode ser que ela crie um novo método ahahah) e já não usa fralda o dia todo, nem se formos passar o dia fora.
Agora deu-lhe para gostar de comer limão, começou com pedir limão na água dela poque nós um dia bebemos Corona e metemos um gomo de limão. Ela lambia o limão mas fazia cara feia, agora adora e só pede na água para o comer e pede mais.
Também já gosta de chocolate, comeu um bocado de salame de chocolate feito por mim, não comeu a fatia toda (pequena) que lhe foi destinada mas comeu.
Conta até 10 em português e holandês e canta os parabéns nas duas línguas e também em inglês. Canta muito na realidade, nas duas línguas e cada vez mistura mais holandês e português.
Já salta para a frente, desce degraus a saltar dando a nossa mão ou desce escorregando os pés na borda do degrau (não sei onde aprendeu). Gosta de usar óculos de sol e tem adorado quando vamos à praia, apesar de não gostar da zona de rebentação mas delira quando passamos essa parte.
Vai começando a brincar mais com bonecos mas continua a adorar fazer puzzles e ler livros. Legos não são o brinquedo preferido dela.
Continua a ajudar muito em casa, tira cafés, passa a loiça por água, alimenta a Tuga e limpa o que suja.
Também entretanto começou a gostar de batatas, uma grande novidade. Vamos ver se foi só daquela vez que se distraiu. Também já come sopa e às vezes pede mais em vez de comer segundo prato.
Tem tido muito mais birras nestas últimas semanas, maioritariamente quando não pode fazer algo, fica chateada e frequentemente vai para o quarto dela sozinha (tipo adolescente mas com 2 anos e meio). Apesar de tudo é mais fácil racionalizar com ela e explicar as coisas agora do que há uns meses atrás. Se nós fazemos algo errado pedimos desculpa, reconhecemos o erro e por vezes voltamos atrás em decisões que não faziam sentido. Porque todos erramos e todos devemos admitir quando o fazemos.


Pizza totalmente feita por mim (sem levedar)

Mais uma receita da Teresa, claro, que já foi repetida várias vezes e tem sido um sucesso sempre!

400g de farinha com fermento (uso metade a 2/3 de espelta e a restante de trigo)
sal qb
1 colher de sopa de fermento em pó
Azeite qb
230ml de água morna

Ligar o forno na temperatura máxima.
Misturar a farinha, sal e o fermento. Adicionar um fio de azeite e juntar uma parte da água. Ir adiconando água até estar uma massa elástica. Polvilhar com farinha e amassar ligeiramente. Dividir a massa em 4 para 4 pizzas pequenas ou em 2 (da última vez fiz assim e ficaram excelentes na mesma.
Estender em cima de uma folha de papel vegetal até ficar fina, fazer rebordo com as mãos e pica-se com um garfo. Colocam-se os toppings que se quiser e forno durante uns 10/15minutos ou até o queijo estar derretido e dourado (depende do vosso forno, da temperatura, etc).
É maravilhoso e a Bia adora! A nossa prefeida é com pimentos.


Portugal não é racista?

Sim, portugal é racista! Quem diz o contrário ou não tem noção da realidade ou tem uma noção errada de racismo.
Portugal é racista, eu tenho pensamentos racistas, tento contrariar, é um esforço que tem de ser feito até erradicar esses pensamentos. Custa admitir, sim custa! Custa admitir que quando alguém faz algo e é de outra etnia/nacionalidade pensamos "pois é da etnia/nacionalidade x". Reconhecer o problema é meio caminho para corrigir e melhorar. Não é tudo, mas é um princípio. Comecem a analisar os vossos pensamentos, aqueles que ocorrem quase instintivamente, parem e analisem e vejam se não há de vez em quando um pensamento racista ou chenófobo.
Recentemente uma amiga partilhou esta página do instagram sobre xenofobia sentida por brasileiros noutros países. Primeiro eu achei que o preconceito contra brasileiras ocorria apenas em Portugal e estava enganada, depois as coisas que li são absolutamente nojentas e algumas bem piores do que eu tinha noção.
Bruno Candé foi assassinado sábado, durante o dia, por um homem de 76 anos por motivos racistas. Não há motivo para se matar alguém, há quem diga que ele provocou ou o que seja, mas a verdade é que não há desculpas absolutamente nenhumas para se matar alguém!
Portugal é racista, há racismo/xenofobia na maioria dos países, eu já fui discriminada na Holanda, conheço muita gente que sofre de descriminação e racismo noutros países. O facto de ser comum não deve ser considerado normal nem correcto. Dizer que vai sempre existir é desistir antes de tentar e isso não é aceitável. Se não fizermos nada, nada muda mas se tentarmos caminharemos para uma sociedade mais justa.

imagem retirada da internet

The Marvelous Mrs. Maisel

É uma série da Amazon prime e tenho de dizer que é uma das séries mais alegres e bem feitas que vi nos últimos tempos, só por esta série já valeu o preço!
Se gostam de comédia é mesmo uma série que recomendo. É sobre uma dona de casa dos anos 50/60 que acidentalmente descobre ser muito boa a fazer stand-up. Tem piada, tem excelentes actores, tem o glamour dos anos 50/60 levado ao extremo o que cria também situações caricatas. Também aborda temas sobre as mulheres, como eram vistas, tratadas, o que se esperava delas e o que definitivamente não se esperava.
Vale mesmo a pena!


Primeiro mergulho do ano

Finalmente, já tinha saudades!
Chegámos à praia pelas 9h (um bocado tarde para o nosso standard mas ok), a praia que escolhemos tem um parque infantil de um restaurante e ela quis brincar por ali. Descemos para mais perto da água e ela aind amlhou os pés mas não quis nada a ver com o mar e preferiu ir brincar numa poça perto das toalhas.
Quando fui dar o meu segundo mergulho lá a convenci a vir comigo e pasada a rebentação (que era bem pequenina) comecei a brincar com ela na água e ela começou a adorar, depois foi a vez do Ricardo brincar com ela até vir uma onda um pouquinho maior que lhe passou por cima e ela quis ir embora.
Almoçámos cedo e fomos para casa, ela adormeceu pelo caminho.
Chegámos cansados e felizes e espero que possamos repetir muitas mais vezes!


Athlete A

Não é nem série nem filme mas tinha de mencionar este documentário. Pensamos que certas coisas hoje em dia já não acontecem, que há informação suficiente, que há regulação suficiente, sensibilização suficiente mas os abusos no meio desportivo, especialmente de alta competição, são uma realidade presente.
Este documentário expõem o que aconteceu a dezenas de ginastas americanas, algumas ginastas olímpicas, não só a nível emocional como também abuso sexual por parte do médico da equipa nacional. O médico até fez vídeos que colocou no youtube para "justificar" alguns dos actos que praticava, muitas vezes com os pais presentes na sala mas que não conseguiam ver as duas mãos do médico e não se aperceberam.
Houve uma atleta que falou com a treinadora, que foi passando a batata quente ao próximo e por aí em diante, semanas depois chegou ao FBI que nada fez mas a lei é clara e o reportado pela atleta deveria ter sido exposto à polícia imediatamente.
Uma grande parte da investigação foi feita por jornalistas após receberem cada vez mais informação e testemunhos e conseguirem que algumas autorizassem a publicação dos seus nomes.
Vale a pena ver até para nos lembrarmos que temos de educar os nossos filhos a terem noção do que é aceitável ou não, que se algo lhes causa desconforto podem e devem dizer alguma coisa, que um sonho não nos pode levar a ser infelizes e maltratados e temos de nos lembrar que parte de nós solucionar o problema, se algo se passa falar com as autoridades e não depender de terceiros, porque podem estar apenas interessados em defender a sua imagem.


Vamos a mais um pequeno update da Bia

Porque entretanto me têm perguntado sobre a operação da Bia fica aqui a informação que ela nunca mais teve líquido a sair do ouvido, achamos que ela ouve bem e não tem estado doente. Esteve uns dias ranhosa quado voltou à creche depois do confinamento mas passou logo.
Estamos neste momento a fazer o desfralde, calmamente, sem pressas nem pressões, ela às vezes anda bem sem fralda, outras quer fralda mas pede na mesma para ir ao penico, já tem feito cocó no penico e xixi já faz há uns meses. Começámos por a colcoar no penico quando acordava de manhã e antes do banho à noite, passámos a incentivar mais o uso do penico e agora vai várias vezes. Na creche também como desde que voltou está no grupo dos 2,5 anos aos 4 eles levam os miúdos todos para fazer xixi e às vezes dão por ela lá de livre e expontânea vontade. Quer ser ela a limpar-se (o rabo claro que temos de ser nós), quer ser ela a despejar o conteúdo e quer ser ela a lavar o penico. Também vai fazendo na sanita mas não gosta tanto.
Já entra sozinha na sala da creche, nem sempre mas vai entrando. Canta cada vez mais músicas em Holandês e adora fazer as coreografias. Diz mais palavras em holandês então agora é mesmo uma grande mistura de palavras e às vezes diz nas duas línguas, hoje dizia "piupiu, vogel".
Também agora tem o hábito de nos dar reforços positivos, quando fazemos algo bem ela diz "boa mamã" ou "boa papá" e é muito cómico.
Adora melancia, continua a não comer brócolos, batata, abóbora e feijão mas de resto come um bocado de tudo.
As birras já são menos frequentes, mais previsíveis e grande parte das vezes conseguimos que se acalme para explicar o que se passou e assim resolver a questão, claro que quando o problema é que dissemos que não a única coisa a fazer é com calma explicar o porquê e tentar que ela respire fundo. Também quando fica amuada vai para o quarto dela e chora lá e houve um dia que saiu mesmo de casa porque já chega às maçanetas então agora temos a porta sempre trancada. Só não bate com a porta do quarto porque a porta não fecha a empurrar mas a puxar ahaha.
Algo também recente é dar balanço no baloiço, já percebeu que se mexer o corpo a coisa se dá e hoje de manhã expliquei que também pode juntar as pernas, meio desengonçada mas está quase lá...


Infertilidade round 2

Desde Dezembro que deixei de tomar a pilula, ainda comprei uns testes de ovulação que cheguei a fazer mas ainda tenho um há uns meses na gaveta. Também tenho uma app e cada vez registo menos coisas, e porquê? Porque já tinha decidido que ia deixar a pílula e depois logo se via, quando viéssemos de férias em Junho e nada tivesse acontecido contactava o centro de fertilidade e pronto.
No meio disto tudo veio o CoViD19, um altura mais complicada com a Bia (os terrible horrible 2), deixei de registar tanta coisa mas ainda registo frequentemente. Já liguei para o centro de fertilidade (precisamente porque já deduzia as listas de espera), o plano passará por usar a fórmula da última vez e depois avaliar. Na altura que liguei a lista de espera estava entre 3 e 6 meses, por isso quando tiver a próxima mesntruação é ligar e ver o que nos espera.
Já me debati sobre se é a melhor altura para o fazer mas, na realidade, é tão boa quanto outra qualquer, não acredito que vá acontecer já e se puder ser muito honesta não é algo que me transtorna... Gostava que a Bia não fosse filha única, gostava de ter outro filho, gostava que fosse quando ela ainda não é adolescente, mas na realidade estou muito calma e sem grandes preocupações.
Estou a escrever isto em tempo real mas não sei se irei reportar novidades em tempo real, sei que se tiver uma perda gestacional gostaria de partilhar por aqui e gostaria de partilhar o percurso todo seja ele qual for, agora se o farei em tempo real ou não logo vejo..

7 anos

Faz hoje 7 ano que te fui esperar ao aeroporto, com uma garrafa de espumante na mão para celebrar. 7 anos que decidimos dar um passo gigante na nossa relação, em que deixaste o teu trabalho, família e amigos por mim, por nós.
Sempre fomos realistas, se em 6 meses não encontrasses nada ias embora mas não demorou nem 1 mês. Vivemos num estúdio (bunker), tivemos imensas visitas, vivíamos por cima das melhores shoarmas de Amesterdão e tivemos a visita de um ratinho durante a noite. Fiz a minha primeira tatuagem, fizemos (fizeste) mudanças de bicicleta, comprámos mota, pusemos soalho flutuante pela primeira vez na vida quando mudámos para o nosso primeiro apartamento (um T2 bem fixe),  roubaram a mota então comprámos um carro mas não antes de comprar uma casa, razão pela qual casámos. Fizemos tratamentos de fertilidade, à terceira foi de vez e nasceu a Beatriz.
Já vivemos muito por aqui, já rimos muito e chorámos muito e todos os dias, mesmo nos mais difíceis, eu agradeço teres vindo.

Se eu pudesse voltar atrás no tempo e mudar alguma coisa na minha vida não mudaria nada!!!


Scandal

Scandal é um série de suspense político americano que conta a história de Olivia Pope (Kerry Washington) dona de uma empresa de gestão de crises- Olivia Pope&Associates. Olivia Pope deixa de ser directora de comunicação d presidente, com quem teve um caso, para passar a ter a sua própria empresa. Os personagens dão muitas voltas e reviravoltas e eu fiquei na temporada 5, entretanto saíram mais 3 que eu gostava de ver.
É uma boa série, talvez às vezes um bocado esticada, mas não lhe retiro o mérito de ter bons actores e uma história cativante.
Conhecem? Já viram?

Trabalhar em casa vs remotamente


Li numa notícia que em Portugal há muita gente com o desejo de ficar a trabalhar remotamente a médio/longo prazo, já aqui o que mais ouço é que as pessoas querem voltar ao trabalho de forma presencial.
Pus-me a pensar porque será que isso acontece, até porque alguns amigos portugueses de cá querem voltar ao trabalho presencial, por isso não é cultural. Acho que cheguei a ua conclusão plausível que é que na Holanda, no geral, há um bom equilíbrio vida pessoas/vida profissional. É comum um ou ambos os pais trabalharem 36h porque os miúdos não têm escola 4a de tarde (alguns também não têm 6a à tarde) e no dia que têm a tarde livre trabalham de casa, é também comum poder-se trabalhar pelo menos parcialmente de casa (desde que o trabalho o permita). Logo esta questão do trabalho remoto é uma realidade para uma grande parte dos trabalhadores na Holanda.
Em Portugal ainda está muito enraizado o trabalho estritamente presencial logo o trabalho remoto foi algo novo e que trouxe alguns benefícios às famílias (sem filhos pode ser mesmo mais produtivo).
No entanto aqui há muita gente a querer voltar ao trabalho presencial, mesmo que parcialmente, porque as interacções são diferentes, porque começar num novo trabalho remotamente leva a pouco vínculo, baixo espírito de equipa (no presencial também pode acontecer mas no remoto é mais provável), há certas interacções e trocas de experiência que se perdem por não se estar presencialmente com as pessoas...
Apesar de achar que o trabalho remoto pode ser bom, não é para todos os feitios e quando feito de forma total pode levar a um maior distanciamento da equipa e a algumas perdas de interacções produtivas.
O meu trabalho não se coaduna com trabalho remoto total mas talvez 1 dia por semana fosse útil, para lidar com questões mais teóricas e burocráticas em que não é preciso estar no laboratório. Como temos quotas máximas diárias, ficar um dia ou dois por semana a trabalhar de casa pode vir a ser mesmo preciso...
Em casa ou no local de trabalho é importante criar rotinas, fazer pausas e estruturar o dia de forma a sermos mais produtivos, também criar um bom ambiente para tornar o local onde trabalhamos um local saudável e confortável.


Mentes criminosas

É uma série policial de que gosto mesmo muito... É uma série sobre uma equipe do FBI, da Unidade de Anlálise comportamental, focando a série mais no comportamento do que nos crimes em si...
Gosto mesmo muito e é daquelas séries que posso ver vezes e vezes seguidas e repetidas que não me chateia absolutamente nada!
Conhecem?
Fica aqui o trailer da última temporada...


Dia do Pai

"Não podia ter escolhido melhor pai para ela! Não podia mesmo... Ninguém escolhe músicas para ela dançar como tu, ninguém joga tão bem à bola com ela como tu, ninguém a atira ao ar como tu, ninguém improvisa tão bem quanto tu, ninguém conta a história antes de dormir como tu e ninguém olha para ela como tu" (Vera, 16/03/2019)

Ninguém a leva para trocar a fralda como tu (de cabeça para baixo e ela adora). Só tu para atar uma caixa à bicicleta para fazer de comboio de mercadorias.

Ela confia plenamente em ti!
És um palhacinho e ela adora as vossas brincadeiras e parvoeiras e eu adoro ficar a ver e a rir-me como é que tu te lembras de certas coisas...


Este post esteve para ser publicado dia 21, dia do pai na Holanda, só que por questões de força maior só agora deu... mas mais vale tarde que nunca!

Arroz doce com leite vegetal

Cá em casa não bebemos leite de vaca, nem a Bia mas quando queria fazer alguma coisa que requer leite era fiel (molho bechamel ou arroz doce).
Pois que aqui há umas semanas apetecia-me mesmo arroz doce e não tinha leite, estávamos no pico do CoViD e achei uma parvoíce ir à rua só para comprar leite e decidi fazer com leite vegetal mesmo! Usei leite de aveia e amêndoa (era o que havia em casa) e posso-vos dizer que acho que foi das vezes que ficou melhor...
Acho que já tinha deixado aqui a receita mas aqui vai:

1 chávena de arroz carolino ou arbóreo (a chávena que uso leva 250ml)
Casca de 1 limão
1 ou 2 paus de canela
uma pitada de sal (é mesmo importante na minha opinião)
água qb
Leite- pelo menos 1L mas é a gosto e depende se gostam mais seco ou com mais líquido
1/2 chávena de açúcar
3 a 4 gemas de ovo

Colocar o arroz, casca de limão, pau de canela e sal (uma pitada e nào como se fossem cozinhar arroz) numa panela e cobrir com água. Deixar cozinhar com tampa até a água ser absorvida. Começar a juntar leite e cozinhar em lume médio até estar no ponto de cozedura do vosso gosto, ir adicionando leite conforme necessidade. Quando o arroz estiver no ponto ajustar a quantidade de leite (eu junto sempre mais porque gosto dele muito cremoso). Misturar as gemas com o açúcar numa taca e juntar lentamente pequenas colheradas do arroz à mistura de gemas e mexer bem, repetir umas 3 ou 4 vezes (notei que fazendo assim tinha menos probabilidade de cozer o ovo mas pode ser só azelhice). Verter a mistura na panela sempre a mexer e deixar engrossar. Colocar num recipiente, arrefecer e comer com bastante canela.
Não há fotos do dito cujo mas fica aqui a Bia a fazer um arco-íris... 



A Fabulosa Aventura de André Cocó




Aqui está uma parte da história, se quiserem ler o resto vão ao youtube. Estes é daqueles que vale mesmo a pena ver!

The Stranger

Vimos esta série na Netflix e não sendo terrível não é fantástica.

O enredo conta a história de como uma rapariga que queria que a verdade se soubesse leva a alguns eventos trágicos...
Os diálogos às vezes são estranhos, as reacções/intervenções dos personagens por vezes também. Vê-se bem mas não é daquelas séries que teria pena em não ter visto. Se não tiverem mais nada para ver pode ser uma opção mas não é fantástica...


2 anos e meio


Faz precisamente hoje 2 anos e meio que a Beatriz nasceu então vou dar mais alguns updates desta pestinha adorável!


Agora gosta de me mexer no cabelo, dar-me festinhas e diz  "tão bonita" e às vezes segue-se um beijinho...


Já sabe os nomes todos dos colegas de escola, menos de 2 semanas na escola e sabe os nomes deles todos! É mesmo impressionante, até as educadoras ficaram espantadas, com isso com ela se calçar e vestir o casaco sozinha, sempre! Quer sempre fazer tudo!
Quando perguntamos se gosta de ir à escola ou se que rir ela diz "sim, amiguinhos?!". Está a correr bem o regresso e quando está lá o melhor amigo, Daniel, as educadoras dizem que viram a sala do avesso mas que se divertem imenso e brincam imenso os 2.
Está com um vocabulário mais vasto, por exemplo quando algo acaba diz "acabou, está vazio" ou "op is op, está vazio", entre outras coisas que agora não me ocorrem claro ahahah
Tem acordado às 5 da manhã, sim leram bem... depois um de nós tem de ir para o quarto dela e lá temos de ficar nos sofá e costuma manter-se até às 6h30/7h. Não o que raio lhe anda a dar... Vir para a nossa cama não é opção, ela connosco não dorme!
Já consegue tirar os pés do chão agarrada ao varão, tenta fazer mais coisas e no fim-de-semana passado imitou uma coreografia que estou a fazer, via zoom, que inclui o sofá, e há movimentos que ela tenta mesmo fazer igual...




Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas



"Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói, e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
É um andar solitário entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É um cuidar que se ganha em se perder."
Luís Vaz de Camões

White lines

"White lines" é uma 'serie britânico-espanhola de suspense, que estreou dia 15 de Maio na Netflix.
Axel, o DJ mais influente de Ibiza com apenas 24 anos, foi encontrado morto, 20 anos depois do seu desaparecimento e a sua irmã, Zoe Collins (Laura Haddock), decide ir para Ibiza em busca da verdade. O perpetrador do crime já não irá responder pelo mesmo, visto ter prescrito, mas nada a impede de querer saber a verdade! Não quereríamos todos saber?
Não é a melhor série do ano, não tem o melhor elenco de sempre nem o guião mais excitante do mundo mas é uma boa série e tem 2 actores portugueses, Paulo Pires que mal aparece e Nuno Lopes (Boxer) que é um dos personagens principais e que tem recebido muito boas críticas pela sua prestação.
Apesar da série ter acabo de forma relativamente fechada, deixa umas pontas soltas passíveis de serem utilizadas numa segunda temporada.


Retirada da chupeta e o regresso à creche

Foram alguns dias até retirar completamente a chupeta. Como já disse aqui várias vezes a Beatriz usava a chupeta apenas para dormir, ocasionalmente quando esteve muito doente mas nunca a brincar, a passear, etc. Uns 10 dias antes de voltar para a creche ganhou a mania de mandar a chupeta para o chão para nós voltarmos ao quarto dela e lha darmos (ela costumava ter 2 caso perdesse 1 estava outra num pote acessível). O Ricardo disse que se ela manda para o chão é porque não quer e então mandamos para o lixo, ao fim de uns quantos avisos foi a primeira fora (a preferida porque tinha um panda) por 2 motivos, 1) não se podem estar semrpe a fazer falsas promessas senão eles não acreditam em nós e 2)ela disse "papá, lixo" por isso lá foi. Mais uns dias passaram desta brincadeira em que fomos avisando que a segunda iria pelo mesmo caminho e um dia, estava eu a metê-la na cama, ela manda a chupeta fora e diz "mamã, lixo" e foi assim, acabou a chupeta, nesse diz choramingou 1 minuto e eu expliquei e ela lá se ficou. Por vezes pede a xuxa e a fralda para dormir, relembrarmos que não há chupeta e ela fica bem com a fralda, tem demorado mais a adormecer, requer que lá fiquemos com ela, mas tudo bem!

Quanto ao regresso à creche está a correr super bem, no primeiro dia chorou um bocadinho mas mal saí calou-se, no segundo dia foi o Ricardo a ir levá-la e chorou um bocado mais, hoje voltei a ser eu e ela esticou os braços para a educadora e com beicinho lá ficou. Tem dormido, o que eu achava que não ia acontecer, tem vindo super bem disposta e as educadoras dizem que ela anda super bem!


Que crescida a minha miúda!

George Floyd


George Floyd foi morto por um polícia! Pediu ao polícia que lhe tirasse o joelho de cima, que não conseguia respirar, pediu água, foi ignorado. Outras pessoas também pediram que o largassem mas só quando George ficou incosnciente tal aconteceu. Foram vários minutos, há vídeos que mostram que George acatou pacificamente os pedidos da polícia, mesmo assim acabou com vários polícias de joelhos em cima dele, um deles no pescoço e acabou morto.
Sim nós temos cores diferentes, religiões diferente, géneros diferentes. Há diferenças entre nós e isso não deve ser negado/ignorado. O cerne da questão é nós vermos essas diferenças mas agirmos de igual forma perante elas.
Temos de agir, denunciar casos de injustiça para com terceiros, ensinar aos nossos filhos que temos todos direitos iguais independentemente de onde vimos, as nossas características físicas ou crenças!
Educar as novas gerações para a igualdade será essencial, mas enquanto a igualdade não chega não nos podemos calar!


Freud

A série passa-se em Vienna em 1886. Sigmund Freud ainda não é uma figura mundial no mundo da psicanálise como nós conhecemos. A sua visão peculiar do subconsciente  e o uso de hipnose levam-no a ser ridicularizado e marginalizado pelos seus pares. A sua reputação e noivado estão em risco, então para se distrair acompanha o seu amigo Arthur em festas da alta sociedade, carregadas de cocaína.
Rapidamente estas festas passam a estar relacionadas com uma série de homicídios misteriosos. Freud parte numa jornada para ajudar a medium Fleur, Alfred um militar com stress pós-traumático e numa busca incansável pela verdade.

Esta série não é baseada na vida de Freud apesar de conter alguns factos reais, mas é uma série de ficção.



A questão das máscaras

Vamos lá falar desta questão... Porque é que raio há tanta controvérsia, ora dizem para usar ora para não usar, etc...
Eu sou a favor de se aconselhar a usar as máscaras sociais (de pano) deixando as máscaras de protecção pessoal para quem precisa mesmo.

E porque é que sou a favor? 
Porque apesar de não reter todas as partículas virais que possamos expulsar do corpo, retém/reterá uma boa parte, espirrar para o ar ou para um pano é diferente, o segundo leva a um raio menor de dispersão das gotículas. Também não tem intuito de proteger o utilizador, pelo menos não directamente, mas se usarmos máscaras protegemo-nos uns aos outros. Claro que acredito que não seja exactamente igual a não usar nada mas nào tem carácter certificado de protecção pessoal.

Quando é que eu sou a favor?
Quando formos para sítios mais fechados ou potencialmente com mais pessoas como supermercados, lojas e afins.

A questão que nunca podemos esquecer é que se estivermos doentes NÃO DEVEMOS SAIR À RUA, com ou sem máscara (a não ser que estejamos a ir ao médico por indicação do mesmo) não devemos sair de casa e equeçam essa do "é só uma febre baixa deve ser uma cosntipação", com febre não se sai, co tosse persistente e falta de ar não se sai.
Outra coisa de extrema importância é que não devemos mesmo descurar as outras medidas implementadas, nomeadamente a higienização das mãos e algum distanciamento social. Não andar de sapatos em casa (caso o fizessem, nós aqui sempre os tirámos à porta), se andarem de transportes mudem de roupa quando chegarem a casa, etc...

Outra questão é como colocar e usar a máscara, as máscaras devem ser lavadas e guardadas com as mãos limpas, antes de pegar na máscara há que lavar bem as mãos, tentar apenas tocar nos eláticos e a máscara deve cobrir da parte de baixo do queixo até à cana do nariz (e nào abaixo do nariz como já vi), não tocar na parte da frente da máscara, não usar por mais de 2h ou até ficar húmida, retirar e colocar para lavar (a maioria até pode ser fervida, se for em algodão) e nunca mas nunca colocar uma máscara em bebés ou crianças com menos de 2 anos!

Na Holanda as máscaras não são obrigatórias excepto em transportes públicos, que só deverão ser usados se não houver alternativa e têm capacidade limitada a 40%, deve ser dada preferência ao uso de máscaras caseiras de algodão deixando as máscaras de protecção pessoal para quem de facto precisa.


Salame de chocolate

Mais uma receita da Teresa e aqui vai ela:

200g de bolacha Maria, podem usar Maria torrada que deve ficar divinal- ideia da Teresa mas eu só tinha as normais
100g de manteiga amolecida
100g de açúcar moído
1 ovo
50g de cacau em pó
50g de chocolate em pó
30g de amêndoas laminadas tostadas (opcional, não tinha logo não usei)

Esmagar grosseiramente as bolachas e reservar. Bater a manteiga com o açúcar até ter um creme homogéneo e fofo.
Juntar o ovo e bater bem
Juntar o chocolate e cacau e bater
Misturar com uma estpátula as amêndoas
Colocar sobre papel vegetal e moldar em forma de cilindro apertando bem.
Colocar no frigorífico pelo menos 2h ou no congelador por 1. Eu deixei sempre no congelador que facilita cortar, mas façam como preferirem.



Milagre na cela 7

É um filme a não perder mesmo!!!! Até o Ricardo chorou, o que quer dizer muito!
O filme conta a históra de Memo, um pastor, que vive com sua filha e avó numa vila na costa turca do mar Egeu. Até que um dia, a vida feliz de Memo descarrilou completamente, quando a filha do comandante morreu e ele foi injustamente acusado do assassinato e condenado à morte. Ele acaba na prisão na cela número sete e aqui começa uma luta pela sua liberdade. Os seus colegas de cela no início era bastante hostis, mas gradualmente percebem que ele tem de ser inocente e começam a tentar salvar a sua vida.